quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

RIO SADO

                                          No Alentejo nasci
                                     Não à beira do Guadiana
                                      Junto ao Rio Sado eu vi
                                    Linda paisagem alentejana.

                                 No Monte do Vale  Burro nasci
                                        Minha mãe Alentejana
                                     Nas Fornalhas Velhas vivi
                                  Ficam próximas de Messejana.

                                     Santa Margarida do Sado
                                         Eu vi lindas Moçoilas
                                       A olhá-las fiquei parado
                                      Lá no campo as papoilas

                                   Minha mãe pequeno me deixou
                          Ainda jovem para sempre deste mundo partiu
                                    Meu coração muito triste ficou
                                        Do sofrimento que sentiu

                                     Com muitas saudades fiquei
                             Seu amor no meu coração está guardado
                                      Das lágrimas que derramei
                                         Por muito ter chorado.
                                   
                           Para casa de meus tios, minha irmã me levou
                                Meu tio me enganou, para eu lá ficar
                                   Aos ninhos de rolas, me levou
                               Quando para casa com meu tio voltei
                                     Minha irmã já não encontrei
                                     Andei muitos dias a chorar

                                       Junto da lareira à noitinha
                        Sinto o calor, da chama ,da lenha que nela arde
                                   Perdi o melhor que na vida tinha
                               Que Deus a sua alma  lá no Céu guarde

                                         Sua gente foi esquecida.
                                   Sem dinheiro para o pão comprar
                                      explorada para toda a vida
                                      Lá nos campos a trabalhar.

4 comentários:

  1. Belos versos cheios de imaginação, mesmo.
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. Oi Edu, passei para te fazer uma visitinha.
    Tudo bem.
    Adna

    ResponderEliminar
  3. Eu não sei fazer rimas tão bonitas quanto as tuas querido amigo,adorei este teu primeiro poema,parabens por seres alentejano,eu adorava!! Eu cá sou albicastrense da zona de castelo branco em portugal. Muitos beijinhos,em breve te faço mais comentários,fica e passa bem!!

    ResponderEliminar