quinta-feira, 7 de abril de 2011

A VIDA

                    Foi-se-me pouco a pouco amortecendo
                         a luz que nesta vida me guiava,
                         olhos fitos na qual até contava
                      ir os degraus do túmmulo descendo.

                     Em se ela anuveando, em a não vendo,
                          já se me a luz de tudo anuveava;
                       despontava ela apenas, despontava
                   logo em minha alma a luz que ia perdendo.

                     Alma gémea da minha, e ingénua e pura
                   como os anjos do céu (se o não sonharam...)
                     quis mostrar-me que o bem pouco dura!

                        Não sei se me voou, se ma levaram;
                      nem saiba eu nunca a minha desventura
                    contar aos qua inda em vida não choraram...

                                 A vida é o dia de hoje,
                                a vida é ai que mal soa,
                               a vida é sombra que foge ,
                                a vida é nuvem que voa;
                                a vida é sonho tão leve
                              que se desfaz como a neve
                                e como o fumo se esvai:
                              A vida dura um momento,
                            mais leve que o pensamento,
                                 a vida leva-a o vento,
                                 a vida é folha que cai!
                               A vida é flor na corrente,
                                  a vida é sopro suave,
                                a vida é estrela cadente,
                                voa mais leve que a ave:
                             Nuvem que o vento nos ares,
                             onda que o vento nos mares
                                 uma após outra lançou,
                                    a vida - pena caída
                                   da asa da ave ferida-
                                de vale em vale impelida,
                                  a vida o vento a levou

2 comentários:

  1. Querido Padrinho Eduardo..
    Eu peguei emprestado seu poema..A Vida..
    Creio que esta dormindo agora
    eu estou arrumando a postagem das 0 hora.
    Te agradeço pelo poema caiu como uma luva para minha postagem..
    Um lindo Domingo Padrinho querido.
    beijos da afilhada,Evanir..

    ResponderEliminar
  2. Edumanes

    Entendes haver perdido a tua Luz?
    Então para que servem as Lembranças e Boas Recordações?
    É por aí que andamos todos, suportados por elas, ganhamos forças para nos mantermos a flutuar no Mar da Vida.
    E a Esperança?
    Pois, a Esperança sempre nos alenta nos momentos menos bons que nos sobram na Alma.

    Estes Poemas merecem seja dito: "CORAÇÕES AO ALTO!"

    Que tenhas um Bom Dia de Paz.

    Abraço
    SOL da Esteva

    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderEliminar