sábado, 9 de julho de 2011

ALENTEJO DO SOL ARDENTE

                   Alentejo, o povo no campo a trabalhar
                                 Para  outros, enriquecer
                          Não tinha conduto para o jantar
                    No Verão, intenso calor o trigo a ceifar
                Muitas horas torto, sem se endireitar poder
                       Antes do Sol nascer, ao Sol posto
                    Descontente, sua tristeza disfarçava
                                  Não podia contestar
                          Contra os que nele mandava
                            Porque não tinha liberdade
                 Se o fazia, alguém os PIDE's informava
                                 Era preso e torturado
                               Numa cela encarcerado
                        Por dizer, tinha fome a trabalhar
                        No Alentejo foi assim no passado

3 comentários:

  1. Eduardo

    Agora não há PIDE, nem trigo, nem trabalho e o pouco que ainda resta é ainda mais miseravelmente pago.
    Triste sina, Amigo.
    O teu grito marca!

    Abraços

    SOL

    ResponderEliminar
  2. Trabalhar, trabalhar, trabalhar
    Fazer o jantar e o trigo a colher
    Um solido amanhecer a entoar um cantar


    bjs meus

    Catita

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que é passado né!

    Nao me aborreço facilmente...rsrs Fique a vontade para desfilar seus verso comigo... aprecio muito a sua escrita!

    bjs brasileiros...

    ResponderEliminar