quinta-feira, 26 de maio de 2011

A MAIOR DOR HUMANA

                                           SONETO A VIRGEM

                         Ó Virgem!  eu vi Job leproso em seu lameiro,
                         torcido que carvalho a que o tufão arraste,
                    exclamar na aflição - Maltito o homem primeiro!
                      Maltito o ventre, ó Mãe, em que tu me geraste!

                      Ó Virgem! eu vi Cristo amarrado ao madeiro,
                       como o branco marfim ou lírio roxo na haste,
                        suspirar num sol-pôr magoado e derradeiro:
               - Ó meu Deus! Ó meu Deus! porque Me abandonaste?

                    Ó Virgem, vi Raquel chorando os filhos mortos,
                      errante, esguedelhada, olhos doidos, absortos,
                           pelas serras, à lua, encher Judeia de ais,

                   Mas vi-te, ó Mãe, depois ao teu morto estreitada,
                 branca, sem cor, sem voz, feita em pedra pasmada,
                           e a soluçar uivei: - Tu é que sofres nais!

                                         GOMES LEAL.

domingo, 22 de maio de 2011

AMOR E ETERNIDADE

                      AMOR E ETERNIDADE

             Repara, doce amiga,olha esta lousa,
              e junto aquela que lhe fica unida:
               aqui de terno amor, aqui reposa
            o despojo mortal, sem luz, sem vida.
                Esgotando talvez o fel da sorte,
           puderam ambos descansar tranquilos;
             amaram-se na vida,e inda na morte
              não pôde a fria tumba desuní-los.
           Oh! quão saudosa a viração murmura
                            no cipreste virente,
            que lhes protege as urnas funerárias!
               E o Sol, ao descair lá no Ocidente,
                       quão belo lhes fulgura
                        nas campas solitárias!

              Assim, anjo adorado, assim, um dia,
               de nossas vidas murcharão asflores...
                Assim ao menos sob a campa fria
                se reúnam também nossos amores!
            Mas que vejo? Estremeces, e teu rosto,
              teu belo rosto no meu seio inclinas,
              pálido como o lírio que ao sol-posto
                        desmaia nas campinas?
             Oh! vem! não perturbemos a ventura
                 do coração, que jubiloso anseia...
             Vem, gosemos da vida, enquanto dura;
                desterremos da morte a negra ideia!
               Longe, longe de nós essa lembrança!
                   Mas não receies o funesto corte...
                         Doce amiga, descansa:
                 Quem ama como nós, sorri à morte.
                            Vês estas sepulturas?
                            Aqui cinzas escuras,
                  sem vida, sem vigor, jazem agora:
              mas esse ardor, que as animou outrora,
                     voou nas asas de imortal aurora
                             a regiões mais puras

             Não! A chama que o peito ao peito envia
                   não morre extinta no funéreo gelo.
                    O coração é imenso: a campa fria
                     é pequena de mais para contê-lo.
                  Nada receies, pois; a tumba encerra
                  um breve espaço e uma breve idade!
               E o amor tem por pátria o Céu e a terra.
                           por vida a Eternidade!

      Autor: Soares de Passos, nasceu no Porto, em 1826,
          onde faleceu aos trinta e quatro anos de idade.