terça-feira, 26 de julho de 2011

A GOTA DE ÁGUA

                     A lágrima triste
                    Que por ti surgiu
                   Mal que tu a viste,
                   Quase se não viu...

                  Como quem desiste,
                      Logo se deliu...
                   E, mal lhe sorriste,
                      Logo te sorriu!

                    Já não era a dor,
                       O sinal aflito
                 Duma  funda mágoa;
                       Era o infinito,
                   - O infinito amor,
                  Numa gota de água.

                      AUGUSTO GIL

sábado, 23 de julho de 2011

LEGÍTIMA DEFASA.

Num julgamento o Juiz pergunta pro réu.- Como o senhor matou sua esposa? A chifradas, meritíssimo. Absolvido por legitima defasa.

                                  ATROPELADOS E CONDENADOS

Dois trabalhadores estavam caminhando pelo encostamento da via. Dutra, voltando de uma Indústria onde haviam trabalhado duro o dia, inteiro quando um Advogado, que vinha a toda velocidade no seu carro importado, atropela os dois.
Um deles atravessou o pára-brisas e caiu dentro do carro enquanto o outro voou longe, a uns dez metros do local do atropelamento. Três meses depois, eles saíram do Hospital e, para surpresa geral, foram direto para a cadeia. Um por invasão de domicílio e o outro por se evadir do local do acidente.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

LUTADORA

                   Em Baleizão, no Alentejo,
                      Quando trigo ceifava
                     Num gesto de cobardia
                 Tinha uma arma apontada
                 Do cano uma bala que saia
                No corpo de Catarina acertou
                        Já sen vida, Catarina
               Seu corpo no chão permanecia
               Para sempre em silêncio ficou
                      Com um feto  no ventre
                    Catarina estaria grávida?
           Contra a exploração descontente
                   Pelos seus direitos lutava
            Morta por um fascista assassino
                       Sem dó nem piedade
                      Foi naquele triste dia
               Antes de alcançar sua vitória
                    Em defesa da liberdade
     Que  Catarina Eufémia ficou na História.

QUEM SABE...

            Se foi bom ter começado,
               Para pior antes assim
       Procurar, e não ter encontrado
               Pode não ter triste  fim

                        Quem sabe...

               Continuar sem parar,
          Procurando o que não tem
              Com inteligência lutar
     Ser herói, não mentir a nimguém.

                        Quem sabe...

            Se foi isto que aprendeu,
       Na universidade onde estudou
         A lição, ainda, não esqueceu
      Só o pior em sua memória fixou.

                        Quem sabe...

           Uma sociedade mais justa,
              Distribuindo a riqueza
           Praticar o bem nada custa
          Entre todos com franqueza.

                       Quem sabe...

terça-feira, 12 de julho de 2011

CONFESSO

                       AMÁLIA RODRIGUES
                Composição Frederico Valério

                Confesso que te amei, confesso
                 Não coro de o dizer, não coro
                  Pareço outra mulher, pareço
                Mas lá chorar por ti, não choro
                  Fugir ao amor tem seu preço
                   E a noite em claro atravesso
                     Longe do meu travesseiro
                 Começo a ver que não esqueço
                     Mas lá perdão não te peço
                    Sem que me peças primeiro

            Não penses mais em mim, não penses
            Não estou nem p'ra te ouvir por carta
                Convences as mulheres, convences
                Estou farta de o saber, estou farta
              Não escrevas mais nem me incenses
                     Quero que tu me diferences
                       Dessas que a vida te deu
                      A mim já não me pertences
                    Mas lá vencer-me não vences
                       Porque vencida estou eu

                            De rastos a teus pés
                              Perdida te adorei
                    Até que me encontrei, perdida
                               Agora já não és
                          Na vida o meu senhor
                    Mas foste o meu amor, na vida

sábado, 9 de julho de 2011

ALENTEJO DO SOL ARDENTE

                   Alentejo, o povo no campo a trabalhar
                                 Para  outros, enriquecer
                          Não tinha conduto para o jantar
                    No Verão, intenso calor o trigo a ceifar
                Muitas horas torto, sem se endireitar poder
                       Antes do Sol nascer, ao Sol posto
                    Descontente, sua tristeza disfarçava
                                  Não podia contestar
                          Contra os que nele mandava
                            Porque não tinha liberdade
                 Se o fazia, alguém os PIDE's informava
                                 Era preso e torturado
                               Numa cela encarcerado
                        Por dizer, tinha fome a trabalhar
                        No Alentejo foi assim no passado

sexta-feira, 8 de julho de 2011

FOI ASSIM NO ALENTEJO.

                            ESTE POEMA
                   Para dedicar com valor
                  Não vou mudar de tema
                     Ao pastor alentejano
               No campo ovelhas a pastar
    Não eram dele, eram de um outro fulano
                 Que o andava a explorar
   Se não obedecia, levava puxão de orelhas
             Pretendia da miséria se afastar
     Verdes ou pretas, não eram aldrabonas
                          Na carne a pensar
               Comia, com o pão,  azeitanas       

terça-feira, 5 de julho de 2011

QUEM NOS VÊM ACUDIR!

               Quem nos vêm acudir
             Depois de tanta tramóia
               Foram chamar o MFI
                     Para nos salvar
            Veio também a paranóica
                Ou aquela coisa que o
                   Nome não sei dizer
         Quando penso me dá arrepios
             Fico com os cabelos em pé
        Porque careca, ainda, não estou
                 Mas depois do Natal
    Não sei se com alguns cabelos ficarei
        A vida do pobre, é mesmo assim
                Mas aqui em Portugal
             Vamos mais pobres ficar
                    Depois do Natal.