quinta-feira, 28 de novembro de 2013

"RICA GENTE"

Nobre povo, nação ente!
Tem vida de luxo gente rica
Porque rica gente consente
Nesta Nação Portuguesa
Mais tristeza menos alegria
Governada com certeza
Na política por gente vadia
Gente rica, sente rica gente 
Por causa dessa gente rica
Está cada vez mais doente!

sábado, 23 de novembro de 2013

"O AGUILHÃO DO ESTADO"

Será o guião ou será aguilhão!
Do Estado, para ferrar nas bestas
Mais o sofrimento aumentarão
Com tantas crueldades feitas.

Assim qualquer um sacana
Elabora um guião tão estúpido
Sofre da agressividade desumana
Qualquer animal mesmo robusto.

Tudo tem, menos razão de ser
Nunca poderá ser posto em prática
Não sabe, portanto, desconhecer
Nunca, ele, defendeu a pátria.

Vendedor de ilusões
Aos beijinhos pelos mercados
Com medos dos empurrões
Não vai lá, só manda recados!

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

NOBRE POVO, NAÇÃO VALENTE!

Intentona sapiência!
Inteligência conspurcada
Assistência dramatizada
Nobre povo, paciência.

Gabarolas vendedores
Mui nobre nação traída
Assaltada por traidores
Sem cura continua ferida.

Nobre povo, nação valente!
Isso já era há muito tempo
Já o não é com esta gente
Que a governa sem talento!

terça-feira, 5 de novembro de 2013

"SE A MISÉRIA ENCHE-SE A BARRIGA"

Se a miséria enche-se a barriga!
A pobreza não passava fome
Havia mais qualidade de vida
Para quem trabalha, gente pobre.

Haveria mais comida para gente pobre
Se houvesse mais rica gente, do que gente rica
Em vez de ouro, se houvesse menos cobre
Para aqueles que nada produzem na vida.

Se houvesse, no mundo, justiça
 No mundo não houvesse exploração
Se a riqueza fosse bem distribuída
Não desligavam luz a gente sem dinheiro
Para comprarem o pão
Como fizeram no Bairro do Lagarteiro
Em vez de cegueta, deveria ser maneta
O governo da nação!

sábado, 2 de novembro de 2013

"NÃO SE FOGE AO DESTINO"

O ninho da rola, com rolinhos não existia!
Foi uma história de esperança inventada 
Por alguém, para eu ficar onde não queria
Com atenção as suas promessas escutava.

Naquele triste dia do mês de Agosto,
Ansiosamente, ouvia falsas palavras
Inocente, descalço, gaiato franzino
Tristeza disfarçada de alegria no rosto
Porque assim quisera que fosse o destino
Os meus olhos se encheram de lágrimas.

 Perdi quando era criança!
O melhor amor da minha vida
  Guardada tenho a lembrança
 Triste, inesperada, despedida

Ser o que não pretende
Parecer o que não quer ser
Escondida, do rosto ausente
 O que ainda existe já não ter

O melhor que temos na vida
Quando parte, deixa saudade
Contra a vontade ressentida
Para sempre na infinidade.

Da vida o mais sincero amor
 De mãe afeto pura amizade
Outro não há que evite a dor
 Nem trás de volta a felicidade!
(Eduardo Maria Nunes)