quinta-feira, 4 de maio de 2017

"TRATOL"

Hoje, não tendo eu,
mais nada para contar
de noite olho para o céu
vejo as estrelas a brilhar.

Se nuvens não tiver,
de dia posso ver o sol
aqui na terra adoro viver
sem poluição do tratol.

Do destino ninguém foge,
nem mesmo numa aventura
como dantes tanto já não sofre
quem trabalha na agricultura!

Aventuras custam lombongo,
e o lombongo custa a ganhar
como antes em solo alentejano
já não se vêem searas a espigar!

No mundo tudo mudou,
excepto a pobreza
haverá sempre alegria
numa casa Portuguesa,
deixou ficar o poeta e a poesia
o vento nem tudo, ainda, levou!
(Edumanes)

5 comentários:

  1. Oi, amigo Edu!
    Somos gratos ao vento!... Sua poesia e presença nos cobrem de alegria!

    Gosto muito de ler sua poesia e conhecer Alentejo ao navegar em seus versos!

    Beijos! =)

    ResponderEliminar
  2. Edu....
    MEu querido poeta alentejano.
    Tu és um grande homem daqueles grandes como não há muitos embora haja alguns que se julga.
    Adoro vir aqui da mesma forma que gosto da tua presença no meu humilde casebre.
    A sério, hoje com estes versos tive a certeza que no teu coração apenas há bondade nobreza de carácter.Adoro-te pela prova de como há pessoas simples, delicadas onde vê humor nas palavras...
    Continua a me alegrar com os teus versos.
    Recebe aquele abraço. E podes contar com a minha amizade
    Kis :=}

    ResponderEliminar
  3. Meu amigo tenho a impressão que no mundo nada mudou, ao contrário da poesia, porque estamos a voltar ao antigamente aos países com tiques e não só de totalitarismos.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
  4. Ora bom dia com trovoada amigo Eduardo! Se me permites só mais uma coisinha, apenas para que me fiquem a conhecer melhor! De onde são os comentadores pouco me interessa, o que eu exijo é respeito e contenção no que escrevem quando falam no meu nome, tu já me conheces e sabes que eu respeito para ser respeitado, não gostei daquele humor suspeito, vindo duma pessoa que não me conhece pessoalmente e para meter um ponto final neste assunto, se tivesse sido eu, no mínimo já tinha pedido desculpa!
    Como sempre gostei de mais esta tua inteligente poesia! Da Figueira para a Póvoa vai aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquela do andas "enrolado" com o "Querido",
      se bem te entendo, jamais te sairá da memória
      mas eu acredito, esquece lá esse mal entendido
      pensamento errante não faz parte desta história.

      O teu nome mencionei,
      o fiz com boa intenção
      porque nunca imaginei
      que originasse confusão!

      Eliminar