quinta-feira, 23 de março de 2017

"O PÁSSARO QUE NÃO SOU EU"

Desejo-te um dia feliz,
para te cumprimentar
ainda agora aqui cheguei
porque antes o não fiz
só agora te encontrei.

Na roseira disse p'ra rosa,
se a tua mãe é uma árvore
sendo eu um passarinho
pede-lhe para na tua toca
protegido da tempestade
me deixar fazer o ninho!

Logo a rosa apressada,
sem hesitar, me respondeu
dizendo que está apaixonada
por um pássaro que não sou eu.

Tenho esperança, não desisto,
sem pressa, tenho vagar
no teu perfume acredito
a esse teu jardim prometo voltar.

Perfumada te quero ver à janela,
com um beijo nos lábios sorrindo
a vida com amor é sempre mais bela
no mundo, não há nada mais lindo!
(Edumanes)

quarta-feira, 22 de março de 2017

"OLARILAS"

Este poema popular!
Do gafanhoto obeso,
levezinho a saltitar
está suspenso no ar
é proibido circular
com excesso de peso!

Prevaricador de intrigas,
de comportamento insolente
aquele, desprezível, olarilas
do Eurogrupo, Presidente.

Mal educado sebento,
de cabelo encaracolado
como dengue envenenado
na Europa exala veneno!
(Edumanes)

terça-feira, 21 de março de 2017

"O TEMPO NÃO PÁRA"

Amendoeiras em flor, 
o tempo não pára
à chuva, ao frio e ao calor
na terra nascida e criada.

 Seara, verde seara,
 nascida da semente
aqui na terra semeada
chora porque sente
se verde for cortada.

Sendo o destino da seara,
 dar sustento a muita gente
quando seca dispensa a água 
na terra mais sede não sente
 seca, com a foice é ceifada!
(Edumanes)

segunda-feira, 20 de março de 2017

"CUCO RABILONGO"

Não para ver de tristeza,
lágrimas sobre as faces dela
a sorrir queria ver a natureza
gotas de água com certeza
 das nuvens caindo na terra!

Depressa para a saudar,
do quarto abri a janela
a sorrir não a chorar
chegou hoje a primavera.
O vento frio, senti, soprando,
olhei para o céu, vi o sol raiar
 como outrora ouvia lá no campo
hoje, o cuco não o ouvi cantar!
(Edumanes)

domingo, 19 de março de 2017

"RABEANDO"

Hoje é dia do pai,
para os que deste mundo,
para o outro mundo já partiram
num eterno sono profundo
 lá onde estão descansem em paz.
Para os que como eu continuam
por cá, de tudo o que falta faz
tenham, para bem estar na vida
enquanto por cá vão rabeando
saúde, paz, amor e alegria!

 Pesando no Alentejo,
onde nasci para a vida
as ovelhas vi no brejo
dos sobreiros tirei cortiça.

Comichão da poeira,
 no corpo já não sinto
como quem sente
no campo ceifei trigo,
ao calor do sol ardente
malhei milho na eira
 não estou mentindo!

Com  a charrua lavrei,
terra mole e terra dura
com os pés nus andei
no tempo da penúria.

Melhor, será, dizendo,
 até havia muita fartura 
de descontentamento
no tempo da ditadura!

Agora há liberdade,
lá na casa da democracia
ouve-se muita alarvidade
como antes não se ouvia!
(Edumanes)

sábado, 18 de março de 2017

"ALGUÉM A VIU?"

Perdi a minha caneta,
nunca mais a encontrei
mas, porque sou forreta
outra igual não comprei.

Não! Forreta, eu,  não sou,
eu estou é, mesmo, preocupado
 se por acaso alguém a encontrou
quando a devolver digo obrigado.

Separados um do outro,
nem tu  nem eu de certeza
temos culpa neste duvidoso
mundo de tanta incerteza.

Não andes por aí desesperada,
de voltares, para mim, tenho esperança
como quem sente sinto, tanto, a tua falta
mas, não tragas na ideia a vingança!
(Edumanes)

sexta-feira, 17 de março de 2017

"SIRVAM-SE, ESTÃO MADURAS"

Se havia burro, não havia nora,
outrora, quando trabalhava no campo
tirava água para regar a horta
do poço com caldeirão de estanho!

 Regava as laranjeiras,
na primavera em flor
a sombra das oliveiras
no verão me protegia do calor.

Olhando para a figueira,
via os figos crescerem
enquanto via na ameixeira
 as ameixas amadurecerem. 

Mas, eram aquelas sãs,
para à fome dar de comer
da macieira apanhava as maçãs
maduras bem as podem ver.

Bem madura amarela,
havia a pêra saborosa
desfolhada à janela
para mim sorria a rosa.

De modos, embeiçado,
logo o cravo ciumento
deveras ficou amuado
com as pétalas ao vento!
(Edumanes)

quinta-feira, 16 de março de 2017

"CIMENTO NÃO ARMADO"

Eu a vejo da minha janela,
não é a paisagem alentejana
por não ter armas com ela
é de cimento mas não armado.
 Começa por G termina em ama,
é uma ponte sobre o Rio Tejo,
quando vou para o outro lado
bem me cinto em cima dela
a caminho do Alentejo.

Não sei se por ela já passou,
você Fuzileiro, o rio bem conhece
se junto dele treinou e nele navegou
disso jamais na vida se esquece!
(Edumanes)

quarta-feira, 15 de março de 2017

"VOCÊ SABE"

Diga lá! Você sabe,
o nome dessa povoação
a caminho do Algarve.

Você já lá almoçou,
não diga que não!
Você mesmo me contou
foi num dia de verão!

Tal tá a moenga!!!
com as mãos no volante 
 e as quatro rodas no chão
vinha não sei de onde
seguindo noutra direcção
então, não se lembra?
(Edumanes)

terça-feira, 14 de março de 2017

"O QUE É QUE O BURRO FAZ AO SOL?"

Acho que isso é imoral,
quem acredita ser enganado
tudo o que é justo afinal
seja cozido ou assado. 

Sou um membro, digo,
desta sociedade bem sei
em promessas não acredito
verdade nelas não encontrei.

 Sendo os que mais fazem sofrer,
longe de gente boa estejam os desgostos
 roubam milhões não vão para os calabouços
os ladrões têm advogados para os defender
  são os burros que pagam mais impostos!!
(Edumanes)

sábado, 11 de março de 2017

"SE CALHAR"

Para em segurança viajar,
tenho de mudar de rumo
estou pensando se calhar.

 Não carregar as bugigangas 
para o barco não ir o fundo
navegar em águas mansas!

Vou cantando uma cantiga,
daquelas que eu sei cantar
se eu fosse poeta escrevia
um poema de noite ao luar!

Quem de sede está chorando,
das nuvens não cai água na terra
para porto seguro navegando
no meu barquinho à vela!
(Edumanes)

quinta-feira, 9 de março de 2017

"AINDA NÃO ABALEI"

Com alegria  estou aqui,
sem esconder a seriedade
todo o tempo que já vivi
recordando com saudade!

Três quartos de século,
caminhando, já percorri
do fim ficando mais perto
faz hoje anos que eu nasci!
(Edumanes)

quarta-feira, 8 de março de 2017

"SÃO PARA VOCÊ"

Quem tem coração sente,
para cada mulher uma flor
hoje dia 8 de Março e sempre
saúde, paz e muito amor!

De quem ama sentir calor,
como ama se sentir amada
a mulher é como uma flor
nunca deve ser amachucada!
(Edumanes)

terça-feira, 7 de março de 2017

"NO CAMPO"

A correr vi o Caracol,
no campo seara de trigo
ouvi cantar o Rouxinol
voando vi o Pintassilgo!

Sem ciumes do amor,
na roseira vi uma rosa
para dar lugar ao calor
o frio está indo embora!

Não há nuvens no céu,
azul, o podemos ver
nas praias pernas ao leu
qualquer dia senão chover!

  De cujo o contentamento,
que nunca na vida inferniza
de que possa ser mau tempo
quando chove ninguém diga.

Talvez o seja na cidade,
porque, no campo é alegria
para as flores felicidade
 com amor de noite e de dia!

Para o bem da saúde,
do que a vida no campo
sem qualquer queixume
não há melhor beleza,
sem a política rimando
apreciando a natureza!
(Edumanes)

segunda-feira, 6 de março de 2017

"NAS BORDAS"

Sem se afastar da felicidade,
saiba esperar pela primavera
antes da curva reduza a velocidade
seja cauteloso não tenha pressa.

 Sem fazer essa careta,
agradeça a quem o ajudar
se nas curvas resvalar
 para as bordas da valeta.

Manter a calma e sangue frio,
para não perturbar a condução
se nas curvas é que está o perigo
nas rectas tenha mais atenção!
(Edumanes)

domingo, 5 de março de 2017

"PINTARROXO"

Hoje dia 5 de Março,
domingo chocho
porque estava acordado
ouvi cantar o pintarroxo.

De manhã cedo voou,
para a fonte o passarinho
na água mergulhou,
cheio de sede coitadinho!

Não os pode abandonar,
no ninho os ovos chocando
para à sua passarinha dar
com água no bico voando.

Voltou o passarinho,
alegremente, cantando
 lá do cimo dum raminho
sua passarinha vigiando!
(Edumanes)

quinta-feira, 2 de março de 2017

"EM VEZ DO PANAMÁ UM BONÉ"


Porque, vale sempre a pena,
continuar a luta companheiros
pretendendo eu escrever este poema
inspirado no Panamá dos fuzileiros.

 Na internet navegando,
a todo o vapor com esperança e fé
 encontrei estou contando
 em vez do Panamá um boné.

Portugal sendo roubado está,
pelos seus muitos caloteiros,
há no mundo um país Panamá
além do Panamá dos Fuzileiros!

O Panamá dos fuzileiros,
é para na cabeça colocar
 em Portugal os caloteiros
 estão dando muito que falar.

Eles estão por todo o lado,
a justiça não os consegue controlar
com o muito dinheiro roubado
 gozam bem a vida sem trabalhar!
(Edumanes)

quarta-feira, 1 de março de 2017

"PONTE EM CONSTRUÇÃO"

Ponte em construção, Rio Cutato-Angola,
Distrito do Huambo, anos 70, Século XX.

São ideias dum alentejano,
se as conheço, não as invento
não sei se estarei melhorando
ou se  ainda me está doendo!

Não fiz nenhuma asneira,
mas, levei com uma bolota
caída do ramo duma azinheira
em cheio no cimo da minha tola
até vi mais do que uma estrela.

Eu sonhei quando era moço,
 de que podia agarrar uma estrela
subi para cima dum tremoço
embarquei na nuvem passageira.

Não estou arrependido,
por não ter sido ao acaso
na Esperança acreditei
fui para África com a Fé
do Alentejo comigo a levei
ter atravessado o Rio Cutato
imaginei, em cima dum Jacaré
sem ter incomodado o Crocodilo!
(Edumanes)