sábado, 28 de dezembro de 2013

"SEMENTE ENVENENADA"

Pode ser igual não mais ruim!
Ano novo vem com vontade
Está quase a chegar ao fim
Ano velho de austeridade.

Digo adeus ao velho ano,
E bom dia ao ano novo
Fora daqui com o tirano
Porque é inimigo do povo.

Portugal, país do mundo,
De fazer melhor é capaz
Só o medonho infortúnio
Não nos deixa viver em paz.

São os frutos dos enganos,
Que envenenam muita gente
Vai ficar por mais quinze anos
 Essa envenenada semente!

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

"O DOUTOR FALHADO"

O Doutor Trocado.
Continua apregoador
Não dá canta do recado
Grande atrapalhador.

Na faculdade foi licenciado.
Agora não lhe reconhece valor
Coitado do doutor falhado
Sofre de crónica dor.

Neste aparato constituído.
Desestabilizador da orgânica
Mal empregado desperdício
Político esconde coisa estranha!

sábado, 14 de dezembro de 2013

"PINTA NEGRA"

Caiu dentro da valeta!
 Bebeu vinho Mateus rosé
Da Quinta da Pinta Negra
Sabem porquê?
Lá do Concelho de Odemira
Vinha tão apressado
É alentejano, não admira
Porque chegou atrasado...

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

"SEM CRAVOS NA LAPELA"

Do Concelho de Odemira!
Sou sincero não engano
Escrevo assim não admira
Porque sou alentejano.

Já corri seca e méca
Das Fornalhas a Lisboa
Passei pela Marateca
Sem azeite comi acorda.

Aconteceu, não é mentira
Foi em tempos de outrora
Porque mais miséria havia
Do que aquela que há agora!

Todavia, é preciso ter cautela
Para a esse tempo não regressar
Na política há tanta mazela
Tarde ou nunca irão sarar!

Só com outro 25 de Abril
Sem cravos na lapela
Porque até agora só gente vil
Tem direito a comer da gamela!
(Eduardo Maria Nunes)

sábado, 7 de dezembro de 2013

POR CAMINHOS DO ALTO ALENTEJO"

Por caminhos sem fim!...
Desde a Ponte Marechal Carmona!
sobre o Rio Tejo, em Vila Franca de Xira
pela Estrada Nacional 10, direcção Porto Alto,
Algumas das localidades por onde passei
em viagens de trabalho, no Alto Alentejo
Passando por Terrugem e Vila Boim.

Porto Alto e S. Gabriel
Taitadas e vendas Novas
Montemor-o-Novo
Évora e São Mansos
 Monte do Trigo e Portel
 Alqueva e Montoito
Alter do Chão e Montargil
Ponde de Sôr e Galveias
Castelo de Vide
 Alpalhão e Gáfete
Crato e  Cabeço de Vide
Portalegre e Alegrete
 Arronches e Barragem do caia
Campo Maior e Degolados
Monforte e Santa Eulália
Sousel, Cano e Casa  Branca
Veiros, Mora e Pavia
Arraiolos e Vimieiro
 Avis, Fronteira e Nisa.
Évoramonte e Redondo
Estremoz,  Borba e Vila Viçosa
Alandroal e Jeromenha
Elvas e Vila Fernando!
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

"VIAGEM AO BAIXO ALENTEJO"

Fui a Messejana!
No Baixo Alentejo
Pela ponte Vasco sa Gama
Passei o Rio Tejo.

Fui à feira de Castro
Passei por Ourique
Vi o Anastácio
Abraçado à Judite.

De Almodôvar
Caminhei para Mertola
Para a cidade de Andovar
Se mandou a Roberta.

De Garvão
Fui para a Funcheira
 Estava um calorão
  Foi no tempo da ceifa.

De Santa Luzia
Para o Vale de Santiago
À sombra dum chaparro
Descansava a Maria.

Das Fornalhas Velhas
Segui para Alvalade Sado
Vi um rebanho de ovelhas
A pastarem lá no prado.

De Grândola
 Para Alcácer do Sal
Vi na monda
As moças no arrozal.

Na Marateca
Parei para almoçar
De vinho bebi uma caneca
Continuem a caminhar.

De Águas de Moura
Segui para Setúbal
Nas mãos duma garota
Vi um lenço azul.

Do Laranjeiro
Fui para Cacilhas
Estava o pasteleiro
A enfeitar rosquilhas.

Para o Terreiro do Paço
Viajei num cacilheiro
Transportava num saco
Papo-secos o padeiro.

Subi a Avenida da Liberdade
Cheguei ao Marquês de Pombal
Para mais austeridade
Está a Tróika em Portugal
Irra! tanta vontade
Têm de nos fazer mal!
(Eduardo Maria Nunes)

domingo, 1 de dezembro de 2013

(DIZ O AVARO)

Levando um velho avarento
Uma pedrada num olho,
Pôs-se-lhe no mesmo instante
Tamanho como um repolho.

Certo doutor, não das dúzias
Mas sim médico perfeito,
Dez moedas lhe pediu
Para o livrar do defeito.

«Dez moedas!  (diz o avaro)
Meu sangue não desperdiço:
Dez moedas por um olho!
O outro dou eu por isso!

Se o Bocage ainda vivesse
O que diria ele de tanta roubalheira
Gritaria para que alguém o ouvisse
Sem dizer nenhuma asneira!

No lago com a tartaruga
Respondeu, não hesitou
Quando a Rainha lhe perguntou!
O que o ele estava a fazer, nada puta!

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

"RICA GENTE"

Nobre povo, nação ente!
Tem vida de luxo gente rica
Porque rica gente consente
Nesta Nação Portuguesa
Mais tristeza menos alegria
Governada com certeza
Na política por gente vadia
Gente rica, sente rica gente 
Por causa dessa gente rica
Está cada vez mais doente!

sábado, 23 de novembro de 2013

"O AGUILHÃO DO ESTADO"

Será o guião ou será aguilhão!
Do Estado, para ferrar nas bestas
Mais o sofrimento aumentarão
Com tantas crueldades feitas.

Assim qualquer um sacana
Elabora um guião tão estúpido
Sofre da agressividade desumana
Qualquer animal mesmo robusto.

Tudo tem, menos razão de ser
Nunca poderá ser posto em prática
Não sabe, portanto, desconhecer
Nunca, ele, defendeu a pátria.

Vendedor de ilusões
Aos beijinhos pelos mercados
Com medos dos empurrões
Não vai lá, só manda recados!

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

NOBRE POVO, NAÇÃO VALENTE!

Intentona sapiência!
Inteligência conspurcada
Assistência dramatizada
Nobre povo, paciência.

Gabarolas vendedores
Mui nobre nação traída
Assaltada por traidores
Sem cura continua ferida.

Nobre povo, nação valente!
Isso já era há muito tempo
Já o não é com esta gente
Que a governa sem talento!

terça-feira, 5 de novembro de 2013

"SE A MISÉRIA ENCHE-SE A BARRIGA"

Se a miséria enche-se a barriga!
A pobreza não passava fome
Havia mais qualidade de vida
Para quem trabalha, gente pobre.

Haveria mais comida para gente pobre
Se houvesse mais rica gente, do que gente rica
Em vez de ouro, se houvesse menos cobre
Para aqueles que nada produzem na vida.

Se houvesse, no mundo, justiça
 No mundo não houvesse exploração
Se a riqueza fosse bem distribuída
Não desligavam luz a gente sem dinheiro
Para comprarem o pão
Como fizeram no Bairro do Lagarteiro
Em vez de cegueta, deveria ser maneta
O governo da nação!

sábado, 2 de novembro de 2013

"NÃO SE FOGE AO DESTINO"

O ninho da rola, com rolinhos não existia!
Foi uma história de esperança inventada 
Por alguém, para eu ficar onde não queria
Com atenção as suas promessas escutava.

Naquele triste dia do mês de Agosto,
Ansiosamente, ouvia falsas palavras
Inocente, descalço, gaiato franzino
Tristeza disfarçada de alegria no rosto
Porque assim quisera que fosse o destino
Os meus olhos se encheram de lágrimas.

 Perdi quando era criança!
O melhor amor da minha vida
  Guardada tenho a lembrança
 Triste, inesperada, despedida

Ser o que não pretende
Parecer o que não quer ser
Escondida, do rosto ausente
 O que ainda existe já não ter

O melhor que temos na vida
Quando parte, deixa saudade
Contra a vontade ressentida
Para sempre na infinidade.

Da vida o mais sincero amor
 De mãe afeto pura amizade
Outro não há que evite a dor
 Nem trás de volta a felicidade!
(Eduardo Maria Nunes)

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

"ATROANDO"

Da nascente correr!
Para a fonte água pura
Fresca, pelo vale da loucura
Quero dessa água beber.

 No vale do paraíso fica
 Situada, entre dois montes
A fonte de água cristalina
Duas estrelas brilhantes
Lindos olhos de menina.

 Colina, corpo plagiando
Seios acentuada elevação
Céu azul estrelado vejo
Buliçoso resiste à tentação
Voz inconfundível atroando
Esmero chibante desejo!
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

"BOLOTEIROS"

Disse que não havia, mas há plano b!
Palavras soltas da boca duma aldrabona
Tantas mentiras para quê
Sua grandessíssima trapalhona.

Já falam em 2015, aumentar
Começam cedo a readquirir
Nas bolotas, maduras, a pensar
Rebanho de suínos a grunhir.

Tantos suínos à solta
Atrás deles os cães a latir
Há pouco azeite para a açorda
O olival mandam destruir.

Agora andam de lameiro,
em lameiro, nada irão deixar
Pensavam que o estrangeiro
 Tinha muita ração para os engordar. 

Culpados foram os intereseeiros
Todos os que agiram com má intenção
Porque são mal treinados rafeiros
Não obedecem como pastor alemão!

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

"TACANHO"

Cagarola empecilho!
Foge foge das abelhas
Comeu feijão com chouriço
Ficou maníaco das orelhas!

Grandessíssimo anormal
Do conselho do bate o pé
O tacanho patriarcal
Imaginem quem é!

Toma erradas decisões
Apoiante vil, de chupistas
Arraigado de contradições 
Ignóbil nas entrevistas!

sábado, 19 de outubro de 2013

"NÃO, NÃO E NÃO"

NÃO! PARA O ABISMO NÃO!
Não te quero ver não
Não te desejo desconsolo
Não te desejo ver não
Não quero ver no teu rosto
Não quero ver nele tristeza
Não te quero ver chorar não
Não te quero ver com certeza
Não te desejo mal algum
Não te deixes embaír na incerteza
Não te deixes raptar, contra a tua vontade
Não queiras amar, quem não te ama
Não queiras beijar, sem felicidade
Não queiras ir para a cama
Não faças nada contra a tua vontade
Não partilha o teu amor
Não o dês de bandeja
Não faças clamor
Não diga asneira
Não faças mal uma flor
Não faças trapalhada
Não dês a um qualquer o teu calor
Não caminhes pelos cardos descalça
Não leva para a praia coisas de valor
Não faças indesejado alarido
Não faças vaia
Não tira, em qualquer lugar o vestido
Não usa comprida a saia
Não tira a fita do cabelo
Não vás sozinha para a várzea
Não tenhas dor de cotovelo
Não faças beicinho de amuada
Não me recuses o teu carinho
Não te levantes da cama nua
Não põe pezinho na poça
Não saias de qualquer maneira para a rua
Não comas sem azeite a açorda.
Não ponhas lenha a mais na lareira
Não vás sozinha saltar a corda
Não vás sem mim para a brincadeira!

terça-feira, 15 de outubro de 2013

"QUADRAS VADIAS"

Um poema escrito!
De quadras vadias
 Lutar e gritar é preciso
Contra fome todos os dias.

Mas, não deveriam haver
Gandulos grandes riquezas
Tanta gente sem nada ter
Causas de tantas tristezas.

Por quem não quer saber
Enchem as suas algibeiras
Vazias deixando as outras
De mau gosto brincadeiras.

 Já são muitas e não poucas
Para o abismo empurrarem
Sem parar a todas as pressas
Mentirosos para ganharem.

fazem muitas promessas
Para nunca as cumprirem
Ocupam o lugar com maldade
Passam dias e noites a sorrirem
Roubam aos outros a felicidade.

Constantemente a transgredir
Querem para eles a liberdade
Fazem ao contrário de construir
Por isso não tem personalidade
Por que não deixam o país evoluir.

Quando tudo estiver destruído
Estão lá até quando não se sabe
Há muito já deveriam ter caído
Abrem a boca só dizem disparate.

Sem remédio para a cura
Virá então novo salvador
Desliga a luz, fica a noite escura
Qual será o próximo estupor!

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

"O CANDIMBA"

O candimba corta corta!
Foi consultar o dramaturgo
Deu uma cabeçada na porta
Das orelhas ficou surdo!..

 Faz batota com as portas
O pescador das pardelhas
Só dele não corta as orelhas
O cabeçudo das comportas.

Corta, corta e corta mais
Para vir o que estará ainda
São perturbações de anormais
Não pára de cortar, o candimba!

domingo, 29 de setembro de 2013

"A VIDA...DÁ VIDA À VIDA"

Já fui cumprir o meu dever!
Acordar a gente adormecida
Para melhor na vida viver
Com mais qualidade de vida.

Quem na vida vive com amor
Com alegria viver contente
Nasce, a planta, da semente
Da verde planta nasce a flor!

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

"MIL ANOS DE GLÓRIA"

Para o mundo conquistar!
Prometidos mil anos de glória
De sangue, mancharam a história
  Enraivecido, perigoso pensar!

Tantos anos de glória
Tanto terror, tanta destruição
Nação doentia ferida a sua história
Mar alteroso perigo, para a navegação.

Eles anda na terra
Navegam no mar
Eles apoiam a guerra
Para o mundo conquistar.

Eles prometem na terra
Convencem os mais fracos
Mais perigosos do que fera
Cuidado com os carrascos!

sábado, 14 de setembro de 2013

"VIAGEM IMAGINÁRIA"

Viagem imaginária!
Os homens, a viajar
Não têm asas
Mas, sonham poder voar.
Só há trigo, não há broa
Vida segura procurar
A caminho de Lisboa
Um alentejano ia a cantar
Adeus Alentejo amigo
 Qualquer dia irei voltar
Para ceifar o trigo
Se na terra as sementes
Ainda alguém as semear
 Tecnologias diferentes
Para a terra trabalhar
Aventuras, não à toa
Travessia do Rio Tejo
De Cacilhas para Lisboa
Com saudades do Alentejo
Pensam ser os mais espertos
Só viu cimento e alcatrão
Nas ruas muitos eléctricos
Soltou um grande grito
Ah! magano dum cabrão
Dizendo, lá estão elas
Referia-se ao seu jerico
Eram as casas amarelas
Onde o tinha prendido!

domingo, 11 de agosto de 2013

"JÁ NÃO CONSIGO VERGAR A MOLA"

Quem sou eu, não sei!...
 De onde venho, nem para onde vou
 O paraíso, não o encontrei
Porque o inferno não deixou...

Quem és tu, de onde vens e para onde vais
Sou aquele que já nada tem na sacola
Venho de São Bento, fugido à polícia, é de mais
Sou velho, Já não consigo vergar a mola
Depois de tantos cortes nas pensões
Vou a caminho de Belém pedir esmola...

O dito por não dito
Para camuflar a verdade
Povo pacífico 
Político vive à vontade.

Faz o que bem entender
Não gosta de ser incomodado
Não se importa com quem sofrer
Político só pensa no ordenado.

Na poltrona bem acomodado
Com mais nada se preocupa
Quando de algo é acusado
Sempre diz de nada ter culpa!
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

"CANCEROSA DOENÇA DA NAÇÃO"

Mais um político português!
Do cargo que desempenhava, pediu a demissão 
Por causa de negócios envenenados, talvez
 Na política queixando-se, do lado da podridão

Muitas delas apodrecidas
Cancerosa doença da nação
Como tesouros escondidas
Quantos mais estarão?

Falam de avantajadas remessas
Com as mãos cheias de mentiras
Vendedores de amarulentas promessas
Gente bem falante nas entrevistas.

Tiram da travessa para o prato
Até ela ficar vazia
Vão de novo enchê-la  ao tacho
Enchem o bandulho em demasia.

Seus rendimentos encapuzados
Deles vivem desafogadamente
Apregoando constantemente
Iludindo os menos acautelados!

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

"HAMBÚRGUER-PROVETA"

Pronunciada no Alentejo
A palavra tal tá a punheta
De carne não cortada com o cotélo
Por que não foi criada pela a natureza
Em Londres cozinhado e comido
O primeiro hambúrguer-proveta 
Células retiradas da vaca sem ter metido
Produzido pela ciência perfeita
Tanta coisa no mundo tem acontecido
No laboratório nascem bezerros
Sem o boi ter metido o coiso na greta!

segunda-feira, 29 de julho de 2013

"ABRE OS OLHOS CIDADÃO"

Precisa-se na política gente verdadeira
Que não brinque com coisas sérias
Mesmo que seja aventureira
Mas, não cause mais misérias
Com as leis que pregam rasteiras
Nas algibeiras provocam rombos
Nada conseguem conter
Aos outros causam tombos
Confiança nos políticos não se pode fazer
Nunca fazem o que prometem
Falam com arrogância para quem os elege
Do que antes disseram depressa se esquecem
Exploram o povo até mais não, paciência e cara alegre
Abre os olhos, nunca votes cidadão
Naqueles que só te vão explorar
Da tua boca e da boca dos teus filhos tiram o pão
Se não obedeceres levas porrada, à prisão vais parar!

quarta-feira, 24 de julho de 2013

"INCERTEZA"

Porta de alta segurança
Depois da casa assaltada
Futuro sem esperança
Solução não encontrada.

Muitas coisas de valor
Estão a ser destruídas
Trabalha a terra o agricultor
Estão a forjar novas medidas.

No campo as ovelhas
Comem as ervas floridas
Os bácoros mamam nas tetas
E os toiros nas corridas.

Continua a incerteza
Nuvens negras no ar
Aumenta a pobreza
Não deixam o sol brilhar.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

"COMEÇOU A FESTA BRAVA"

Vem aí o mês das touradas
Alguém as antecipou
Mais cedo foram marcadas
O cavaleiro anunciou.

Compre já o seu bilhete
Para assistir, nas bancadas
À festa do ramalhete
 Cuidado com as cornadas.

De barrete verde na cabeça enfiado
Os cabrestos, para a arena conduzem o toiro
Pega o toiro, o mais valente forcado
  O bronze transformado em oiro
Por um herói, em Portugal radicado!

Do toucinho sai o coiro
Para comer com uma côdea de pão duro
Antes de lançado, o foguete deu o estoiro
Feriu, gravemente, o futuro!

sexta-feira, 19 de julho de 2013

"LAMÚRIA"

Não é culpado o Seguro
Da crise política
Deu um tiro no escuro
Em milagres acredita?

Como irá reagir
O senhor presidente
Não deverá fingir
Nem ficar indiferente.

Não são rosas amarelas
Dispersou o rebanho
Agora é que vão ser elas
Não é ouro, será estanho?

Extraído, porventura
São diversas as razões
Depois de tanta lamúria
Quais serão as intenções?

quarta-feira, 17 de julho de 2013

"ERVILHACA"

Surpreende e atrai,
É perfeita a natureza,
Das nuvens na terra cai
Água pura com certeza.

O povo aperto o cinto,
Não acerta na lotaria
A vida é uma correria
A xingar ou sorrindo,

Com promessas iludido,
Porque, estava a ser
Do que pensava ver,
Assim dizia convencido.

Pastam vacas na  serra,
A comer a ervilhaca,
A seara colhida da terra,
Ximbute, contemplava!

Junto de sua fazenda,
Que em volta da dobadoira
Mede uma légua em redor,
Estava ao fim da merenda,
Mais a gente da lavoira,
Soberbo e mau lavrador.

domingo, 7 de julho de 2013

"SORTE OU AZAR"

Vamos esperar pela decisão
Até à próxima terça-feira
Pelo resultado da rebelião
Coisa boa não se espera
Do mais alto magistrado da nação
Digam e pensem o que quiserem
Vão ver se tenho ou não razão
Do Além não esperem
Vento fresco neste verão.
Pelo bem que pensa fazer
Está a aumentar a confusão
Até parece desconhecer
Que sem farinha não há pão.
Não terá sido  contra a agricultura
O rei de Portugal e dos Algarves
 A percorrer o país, anda uma criatura
A ensinar como se plantam as árvores!

sexta-feira, 5 de julho de 2013

"A FÓRMULA DA SALVAÇÃO!

O que é feito dela
Para a próxima corrida
A camisola amarela
Continua escondida
Antes do pior acontecer
Qual é o seu desejo
O que pensa fazer
No escuro, escuro vejo
Deixem as pessoas viver
Incomoda o percevejo
Dizem que foi encontrada
A fórmula da salvação
Não se sabe onde está guardada
Para  a desagregação
Da coligação falhada
Para salvar a nação
Descoberta macabra
Por duvidoso cientista
 Seu conteúdo não manifesta
Saída da Tróika imprevista
Com brincadeiras de mau gosto
E sem dinheiro menos se acredita
 Em boas  férias no mês de Agosto!...

quarta-feira, 26 de junho de 2013

"PALAVRÕES"

De olhos postos
São apenas palavrões
Falam em baixar impostos
Aproximam-se eleições
   Com promessas a sorrir  
De falsas preocupações
Falam para o povo a mentir
Para lhe sacarem os tostões
Prometem com trocadilhos
Da política são tradições
Faladores empecilhos
No país das ilusões!

segunda-feira, 3 de junho de 2013

"PENSAMENTO ATUAL"

Política infernal
Portugal das grandezas
Pensamento atual
Das cabeças pensadoras
Coisas belas portuguesas
Elegantes morenas e loiras
Com ou sem razão
Fica quedo em seu lugar
Quando pedirem sua opinião
Com precisão a deve dar
Não se arme em casmurrão
Não vale a pena teimar
Come lá o seu quinhão
Deixa de tanto reclamar!

sábado, 18 de maio de 2013

"AOS BANDOS VINHAM ELAS"

Meu Alentejo Querido. 
 Planicie do latifundiário
Já foste terra de muito trigo
Quando não se cumpria horário.
 Derramadas foram muitas lágrimas
Sobre as espigas do trigo ceifado
Na terra virada pelas aívecas
lavrada com o arado.
Aos bandos vinham elas
À procura de comida
Cheias de fome as arvelas
Na terra pelas aívecas mexida.
Meu Alentejo, terra queimada
Do calor, do sol ardente
Contra a exploração, lutava
 Muita gente descontente.
Com medo da repressão
Respondiam a cantar
Contra os traidores da nação
Continuaremos a lutar!
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 1 de maio de 2013

"MAMÍFERO ROEDOR!"

Só faltavam mais estas
Passos Coelhos, dizia
As cantas não dão certas
Culpada é a democracia.
Com ela quer acabar
Para pôr as cantas em dia
Contra o povo governar
A favor da tirania.
Coelho, não é gente
É mamífero roedor
Selvagem insistente
Por onde passa destruidor.
Matar dois de uma cajadada
Com proveito simultâneo
Para comer não vale nada
Se tem lepra é medonho.
Animal estrupador
Come a erva do rebanho
Está sendo zombador
Lá no cimo do patrono
Armado em valentão
Lá no meio do arvoredo
Será grande o trambolhão
Se o caçador mexer o dedo!

sábado, 27 de abril de 2013

"VITINHO, O MANAJEIRO!"

Instalou a  confusão
O grande chefe mariolas
Ainda pensa ter razão
Quer o povo preso nas argolas
De mansinho, traiçoeiro
Grande rapa caçarolas
Vitinho, o manajeiro
 Por linhas tortas
Teima escrever direito.
Anda de arriata comprida
Caminhando em grande velocidade
Leva pressa na subida
Impondo as regras da sua vontade
Quer ver o povo de mão estendia
Pelas ruas a pedir esmola
De inteligência extra convertida
Com ideias fascistas na cartola!

sexta-feira, 26 de abril de 2013

"ORA ESSA, VÁ VOCÊ!..."

Um alentejano para o outro:
-Oh compadre, vai chover!
-Ora essa, vá você...
Dois alentejanos a conversar:
- "Fô aqui compadre, qu'ê me tornê home!"
- "A serio, compadre?", diz o outro
- "A serio! E a mã estava a vendo tudo!"
- "Oh! Oh! E ela na dizia nada?"
- "Dizia pois! Dizia méééééééé!..."

domingo, 21 de abril de 2013

"O ALENTEJANO, O BURRICO E A CASA AMARELA!"

Um alentejano resolveu, Lisboa visitar
No seu burrico se montou
Todo o caminho a trotear
Quando à noitinha chegou
Ao eléctrico amarelo da carris 
Preso pela arriata o deixou...
Depois de um dia feliz
Uma pensão para dormir procurou
Próximo do local, onde tinha
  Deixado preso, o seu burrico
Quando no quarto da pensão entrou
Que por sua dona indicado tinha sido
Para os lençóis brancos olhou...
Para os não sujar
Debaixo da cama se deitou
Toda a noite no seu burrico a pensar
Mais tarde um casalinho
Em lua de mel, na mesma pensão
Um quarto procurou
E a dona da pensão
O quarto do alentejano indicou.
A cama estava vazia
Para debaixo da cama não olhou
Que ele lá estava, ela não sabia.
O casalinho, na cama se deitou
 A coisa começa a aquecer
No jogo do mete e tira
E torna a meter
A moça a delirar
Começa a gemer
Ai, ai, ai querido
Lisboa inteira, estou a ver...
Debaixo da cama diz o alentejano
Atã, vomecê tás a ver a casa amarela
Onde meu burrinho deixei preso!...

quinta-feira, 11 de abril de 2013

"PARAGEM FORÇADA!"

Um país em paragem forçada
Dizem os entendidos na matéria
Das medidas,  política asfixiada
Sem crescimento, causa miséria
Orçamento mal programado
Por violar a constituição
Nunca deram conta do recado
Ao Tribunal fazem acusação
Nomes não vou mencionar
Todos sabeis quem eles são
Tiveram muita pressa para entrar
Para sair teimam não abrir o portão
Vivem lá num confortável luxo
Nesta cada vez mais pobre nação
Todos eles a encherem o bucho
Comem do melhor que há
Muito recebem, sem nada fazer
O Zé trabalhador tudo pagará
Por isso menos receber
Alegremente, vai cantando
Com o estômago a dar estalos
As galinhas os ovos pondo
No poleiro, cantam os galos!

terça-feira, 2 de abril de 2013

"FIM DA BRINCADEIRA!"

A menagem decifrei
Para ser lida em liberdade
Aquela mentira inventei
Não ser essa a minha habilidade
A falar verdade continuarei
Foi uma brincadeira de Abril
País dos processos lentos
Em Portugal, leis de funil
Afinal todos estão atentos!

quarta-feira, 27 de março de 2013

"O REGRESSO DA FERA!"

«O regresso da fera»
Incomoda muita gente
Pudera
 Se calhar por ser mais inteligente
Porque impedido deveria estar
O cidadão português
José Sócrates, na RTP1, comentar
O pior veio a seguir, talvez
É mais fácil os outros culpar
Porque melhor não sabem fazer
E o pinóquio continua a governar
Melhor, do que Sócrates, não saber
Com o desemprego a aumentar
E o povo a empobrecer
Qual deles o melhor
Venho o diabo escolha um
Se o Sócrates é pior
O Coelho não vale nenhum
Mas, todavia, entendo
Estou a penas a escrever
Nem um, nem o outro defendo
Mas, penso que o pior está para acontecer?

quarta-feira, 6 de março de 2013

"PATIFÃO!"

Entre Alvalade do Sado
e as Ermidas, fica  a Mimosa
não estou enganado,
no campo as plantas floridas
o cravo e rosa...
O jardineiro caracol irritadíssimo
está agora muito em voga
a política profissão,
digo as verdades não minto!
Por causa de um patifão
a canção do jamais será vencido,
 unido é quem mais ordena
a cangtar Grândola Vila Morena
continua este povo empobrecido!

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

"TRISTE FIGURA!"

Mas que grande confusão
este país mergulhou
no clube dos pensadores o charlatão
Relvas, Grândula Vila Morena imitou!

Sem inteligência para vencer
aos manifestantes se juntou
sem arte para os convencer
seu discurso não realizou!

Se fosse pessoa séria como disse
apresentava a sua demissão
 que a triste figura jamais se repetisse
contra o bom nome desta da Nação!

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

!O REGRESSO À NORMALIDADE!"

O temporal  está a passar
depois de muito destruir
Portugal aos mercados regressar
será que a flor,  na planta, vai florir?
Lançada a semente à terra
com sacrifício a crosta romper
destruída a floresta
mais, árvores precisam de nascer.
Não atirar antes da festa
os foguetes ao ar
corre água na cratera
cuidado para não escorregar.
Com o precipício perto
todo o cuidado é pouco
Portugal, só será liberto
Com os sacrifícios do povo

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

"DESGRAÇA DE MUITA GENTE!"

Política...palhaçada,
jurou eternamente
a Tróika, sua amada
desgraça de muita gente.
Pontapés a torto e a direito
para eles o povo não vale nada
às leis absurdas que aprovam sujeito.
Diz, o governo, custe o que custar,
não pensem que vou ceder...
primeiro que os portugueses estar
a Tróika, à qual ele governo jurou obedecer.
Logo, chega o Seguro para defender
contra as medidas do governo protestar, 
sem pensar responde a maioria
fica quieto em teu lugar...
a maioria no parlamento
até secarem as tetas continua a mamar
 PSD/CDS/PP, celebraram casamento
para o país poderem governar...
De mãos cheias, com promessas, chegou
em voz alta a gritar
no bem estar do povo não pensou
ele, só quis o Sócrates derrubar 
 muita gente, por acreditar, nele votou!

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

"NO PARAÍSO DOS CORRUPTOS"?

Pela chegado do novo ano,
com esperança e fé esperei
por prever que vai ser engano
de lutar nunca deixarei...
Pela justiça e pela liberdade,
transparência...verdadeira
pelos direitos de igualdade?
Em defesa da sua Bandeira, 
da Nação que representa
transparente cidadania,
Num país onde tudo aumenta
quando o novo ano nascia...
Tudo aumentava não é verdade
ordenado e pensão descia!