segunda-feira, 28 de outubro de 2013

"ATROANDO"

Da nascente correr!
Para a fonte água pura
Fresca, pelo vale da loucura
Quero dessa água beber.

 No vale do paraíso fica
 Situada, entre dois montes
A fonte de água cristalina
Duas estrelas brilhantes
Lindos olhos de menina.

 Colina, corpo plagiando
Seios acentuada elevação
Céu azul estrelado vejo
Buliçoso resiste à tentação
Voz inconfundível atroando
Esmero chibante desejo!
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

"BOLOTEIROS"

Disse que não havia, mas há plano b!
Palavras soltas da boca duma aldrabona
Tantas mentiras para quê
Sua grandessíssima trapalhona.

Já falam em 2015, aumentar
Começam cedo a readquirir
Nas bolotas, maduras, a pensar
Rebanho de suínos a grunhir.

Tantos suínos à solta
Atrás deles os cães a latir
Há pouco azeite para a açorda
O olival mandam destruir.

Agora andam de lameiro,
em lameiro, nada irão deixar
Pensavam que o estrangeiro
 Tinha muita ração para os engordar. 

Culpados foram os intereseeiros
Todos os que agiram com má intenção
Porque são mal treinados rafeiros
Não obedecem como pastor alemão!

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

"TACANHO"

Cagarola empecilho!
Foge foge das abelhas
Comeu feijão com chouriço
Ficou maníaco das orelhas!

Grandessíssimo anormal
Do conselho do bate o pé
O tacanho patriarcal
Imaginem quem é!

Toma erradas decisões
Apoiante vil, de chupistas
Arraigado de contradições 
Ignóbil nas entrevistas!

sábado, 19 de outubro de 2013

"NÃO, NÃO E NÃO"

NÃO! PARA O ABISMO NÃO!
Não te quero ver não
Não te desejo desconsolo
Não te desejo ver não
Não quero ver no teu rosto
Não quero ver nele tristeza
Não te quero ver chorar não
Não te quero ver com certeza
Não te desejo mal algum
Não te deixes embaír na incerteza
Não te deixes raptar, contra a tua vontade
Não queiras amar, quem não te ama
Não queiras beijar, sem felicidade
Não queiras ir para a cama
Não faças nada contra a tua vontade
Não partilha o teu amor
Não o dês de bandeja
Não faças clamor
Não diga asneira
Não faças mal uma flor
Não faças trapalhada
Não dês a um qualquer o teu calor
Não caminhes pelos cardos descalça
Não leva para a praia coisas de valor
Não faças indesejado alarido
Não faças vaia
Não tira, em qualquer lugar o vestido
Não usa comprida a saia
Não tira a fita do cabelo
Não vás sozinha para a várzea
Não tenhas dor de cotovelo
Não faças beicinho de amuada
Não me recuses o teu carinho
Não te levantes da cama nua
Não põe pezinho na poça
Não saias de qualquer maneira para a rua
Não comas sem azeite a açorda.
Não ponhas lenha a mais na lareira
Não vás sozinha saltar a corda
Não vás sem mim para a brincadeira!

terça-feira, 15 de outubro de 2013

"QUADRAS VADIAS"

Um poema escrito!
De quadras vadias
 Lutar e gritar é preciso
Contra fome todos os dias.

Mas, não deveriam haver
Gandulos grandes riquezas
Tanta gente sem nada ter
Causas de tantas tristezas.

Por quem não quer saber
Enchem as suas algibeiras
Vazias deixando as outras
De mau gosto brincadeiras.

 Já são muitas e não poucas
Para o abismo empurrarem
Sem parar a todas as pressas
Mentirosos para ganharem.

fazem muitas promessas
Para nunca as cumprirem
Ocupam o lugar com maldade
Passam dias e noites a sorrirem
Roubam aos outros a felicidade.

Constantemente a transgredir
Querem para eles a liberdade
Fazem ao contrário de construir
Por isso não tem personalidade
Por que não deixam o país evoluir.

Quando tudo estiver destruído
Estão lá até quando não se sabe
Há muito já deveriam ter caído
Abrem a boca só dizem disparate.

Sem remédio para a cura
Virá então novo salvador
Desliga a luz, fica a noite escura
Qual será o próximo estupor!

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

"O CANDIMBA"

O candimba corta corta!
Foi consultar o dramaturgo
Deu uma cabeçada na porta
Das orelhas ficou surdo!..

 Faz batota com as portas
O pescador das pardelhas
Só dele não corta as orelhas
O cabeçudo das comportas.

Corta, corta e corta mais
Para vir o que estará ainda
São perturbações de anormais
Não pára de cortar, o candimba!