quarta-feira, 22 de julho de 2015

"NO RIO MIRA"

A vida é para ser vivida!
sempre da melhor maneira
de quem, ainda, acredita
mantém acesa a lareira.
Pois, não admira
fui na mira das ostras
pescar no Rio Mira,
rio acima, rio abaixo
vi três garotas,
 num barco a navegar
sem bandeira no mostro
a elas eu ajuda pedi.
Me mandaram mergulhar
emergi sem ceroulas
olharam para mim a mangar
porque há dias assim.
Por segundos a voz perdi
de tanta fortuna falar ouvir
fiquei gago...três para mim!
Pelas pernas abaixo eu vi
se mijaram de tanto rir.
(Edumanes)

25 comentários:

  1. Imperdível ! A sua capacidade de rimar.

    Beijinho amigo

    ResponderEliminar
  2. Também me ri com este poema tão alegre!

    r: Não consigo deixar para lá, nem acho que o Maxi fique bem no Porto
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. O senso de humor é incrível nestas suas belas rimas meu amigo. E eu também sorri
    Adorei a leveza dos versos
    Beijos meu amigo e uma boa noite pra você

    ResponderEliminar
  4. Teste para abrir a porta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca tive, nem tenho, vergonha de me identificar!

      Eliminar
  5. Passei por aqui para dizer boa noite antes de ir para a caminha.
    Não tenho andado muito inspirado para a escrita nos últimos tempos, mas vou passando por aqui para ler o que escreves. E gosto!

    ResponderEliminar
  6. “Tenho em mim todos os sonhos do mundo.” E com esta frase Pessoa estou eu aqui para te dá boa Noite e também devagarinho te deixar um spam kkkkkkkkkkkkkkk pois é até terminar o evento do Ostra da Poesia estarei vez ou outra te visitando em um copia e cola *gargalhadas* e dessa vez é para te lembrar que amanhã (daqui a pouquinho passou meia noite já é kkkk) teremos a festa de encerramento da 1ª Fase do 1º Pena de Ouro e apresentação dos semifinalista. Te espero no salão Pérolas ok? Beijos no coração.
    http://ostra-da-poesia-as-perolas.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  7. Pena que muitas vezes não seja vivida da melhor maneira.

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  8. Já à algum tempo que não vou para os lados do rio Mira.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  9. Amigo Eduardo, não consegui votar, porque não sei qual é a tua poesia, penso que não é assunto motivador para abandonares assim os meus blogs, se estiver enganado peço desculpa! Com o meu abraço.

    ResponderEliminar
  10. Vai mas é cantar o fado,
    tem atenção ao mergulho
    em cima do pedregulho
    não batas, tem cuidado
    com a cabeça no fundo.

    ResponderEliminar
  11. Oi Eduardo,parabéns por estar também na semi final.
    Bjs e boa sorte.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  12. Oi Edu,como mandaram para o refugo e não gostaram das nossas poesias,pelo contrário,as nossas é que foram as mais votadas e agora foram para a semi final.As outras caíram fora.rs
    Bjs e obrigada pela visita.

    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  13. Edu,oito caíram fora e nós é que vamos para a final entendeu?
    Somos somente 8 finalistas.Eu,você,Marilene e mais cinco que não conheço.
    Gracita,Rosélia e outros que também não os conheço,apenas agora serão votantes e não estarão participando com as poesias.
    Espero que tenha entendido e que chegue na final.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  14. Olá, Eduardo!

    Agradeço a sua visita e comentário poético, sempre mto a preceito.

    Não estava à sombra dum chaparro, não, esta moça estava numa reunião.
    Qto aos homens alentejanos, conheço-os bem , pke o meu pai, tios e outros são alentejanos e portanto, nada a temer. Evidente k há exceções, mas poucas. São de um sentido de honra, respeito e vergonha, como não há em noutra província de Portugal. Lógico k não são de ferro, e se lhes abrirem a "porta", entram, pois é claro.
    Nós, mulheres alentejanas, somos especiais, temos tino e sabemos mto bem qual é o nosso lugar, é isso.

    Qdo ouve as notícias, diga-me lá qtos alentejanos são noticiados k mataram a namorada, a companheira, a mulher, irmãos, etc.? Quantos? Nenhum.
    Matar por um quintalinho? Por um regatinho? Não, nós nunca, pke temos horizontes mto vastos e "o sangue corre pelas veias", como dizemos nas nossas terras.

    Rio Mira, não conheço, mas dizia-me a minha mãe que o famoso trio Odemira, tem algo a ver com o nome desse rio e até com a vila onde nasceram, Odemira!

    Sem bandeira no MASTRO, era isso k queria escrever. Erro de digitação. Percebi, perfeitamente, Eduardo!

    Então, as "maganas" desfizeram-se a rir. Gente nova, mocidade, é assim.

    Um resto de feliz tarde.

    ResponderEliminar
  15. Prezado, Eduardo.

    Sobe rio, ou desce rio. No tecer da vida, o interessante, é navegar.

    ResponderEliminar
  16. Mastro sem bandeira
    Não falta nesta nação
    Patriotas d'alma inteira
    Só quando joga a seleção

    Andas no rio Mira
    Na maior reinação
    Fama já ninguém tira
    És um ganda campeão

    ResponderEliminar
  17. Onde com a Graça,
    estiveste metido?
    sejas Fantasma,
    bem aparecido!

    ResponderEliminar
  18. Muito trabalho na agenda
    Deste fantasma ocupado
    Nem tempo pra merenda
    Pois não sou reformado

    ResponderEliminar
  19. Com essa é que tu me lixaste,
    não sabia que estavas ocupado
    onde é que foi que a encontraste
    se calhar à sombra do chaparro?

    ResponderEliminar
  20. Aqui não há chaparro
    Só água por todo o lado
    Não me larga o catarro
    Boa noite e obrigado

    ResponderEliminar
  21. Boa noite Edumanes! Vim conhecer este seu cantinho com lindos poemas e bem humorados. Venho igualmente dar-lhe os parabéns por também ter passado à semi-final do Pena de Ouro da nossa amiga Lindalva. Muito boa sorte. Beijinhos

    ResponderEliminar
  22. Como menina do interior
    Vim lhe pedir o senhor
    Aceite o meu grande favor
    Pois é com muito amor.
    peço-lhe que aceite, um ramalhete de flor!

    Bjos meu querido, parabéns pelo concurso no http://ostra-da-poesia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  23. Olá, Eduardo!

    Como está?

    Agradeço a sua bem humorada conversa no meu blogue.
    Não lhe sei explicar por que não gosto de praia, nem mar, nem rio. Não tem nada ver com pé ou unha ao léu, não, simplesmente não me atrai, não me sinto bem, incomoda-me, só isso.

    Talvez ainda não tenha percebido, ou não se tenha apercebido, mas eu digo-lhe que quantos mais comentários deixar no meu blogue, mais terá aqui. É fantástico e lamentável. E não têm tempo pra a merenda, termo utilizado, especificamente, no Norte do nosso país, e ainda não são reformados. Imagine se tivessem tempo e se fossem reformados, neste caso, aposentados

    Parecem náufragos, k na tentativa de um possível salvamento, lançam mão a tudo e por tudo o que é sítio. Que DEUS os ajude a trilhar caminhos do BEM, pke a finalidade, neste caso, não justifica os meios.

    Tenha um resto de feliz tarde, Eduardo!

    ResponderEliminar