quinta-feira, 12 de abril de 2018

"PENICO DE ESMALTE"

Repleto de luxo e misérias,
neste mundo em que ando
corre o sangue nas artérias
enquanto durmo e sonho!

 Dizem os governantes com altivez,
 governar para o bem estar do povo
 os que morrem não nascem outra vez
  aos vivos não causam mais estorvo!

 Os pobres são a tábua de salvação,
pelos governantes tratados como lixo
sendo alguns não só mesmo por aversão
que teimam mijar para fora do penico!

Quando sopra, forte, em liberdade,
falta se fosse no campo o penico não fazia
lá onde se poderá sempre mijar à vontade
até o vento no mijo soprando assobia!
(Edumanes)

9 comentários:

  1. Boa tarde!
    Ainda sou do tempo do penico, looool Excelente poema. Parabéns!! :)

    Beijo e um excelente dia.

    ResponderEliminar
  2. Muito interessante o poema e o penico :)) Adorei :))

    Hoje:- Ainda chove no meu caminho...
    -
    Bjos
    Votos de uma boa noite

    ResponderEliminar
  3. Gostei do poema!

    r: Obrigada e igualmente :)

    ResponderEliminar
  4. Para comentar vou usar as tuas próprias palavras, pois nunca vi verdade mais verdadeira que esta:
    Dizem os governantes com altivez,
    governar para o bem estar do povo
    os que morrem não nascem outra vez
    aos vivos não causam mais estorvo!

    ResponderEliminar
  5. Anda para aí muita gente a mijar fora do penico, amigo Eduardo.
    E não há quem lhes corte... :)))
    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
  6. Lembro-me muito bem dele, era a minha salvação para não sair do quarto à noite no inverno, sim porque até entrar na escola primária não havia casa-de-banho, era um buraco provisório no quintal, à saída do portão, era assim no tempo do Salazar e ninguém se podia queixar, nem fazer greves! VIVA A LIBERDADE.
    Livre e de borla cá vai aquele abraço.

    ResponderEliminar
  7. Eu tenho um igual a esse. Que uso quando estou as crises de refluxo.
    Abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar