sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

"ANO 1965, MÊS JANEIRO"

Não vivendo com a ansiedade,
vivo ainda estou neste mundo
saímos de manhã e não à tarde
de Vila Cabral para o Rio Lunho!

Muitos anos já lá vão,
bem me lembro desse dia
das nuvens naquele chão
 cair muita água, eu, via!

A seguir a Nova Coimbra,
a GMC na picada se atolou
carregada de mantimentos
como foi me lembro ainda
se prendeu numa árvore
o cabo do guincho rebentou
sem nos causar ferimentos!

Cientes da realidade,
a malta não desanimou
com esforço e habilidade
tendo sido ao fim da tarde
que a GMC  se desatolou!

 O padeiro do pelotão,
era eu, havia farinha
forno para se coser pão
no atasqueiro não tinha!

 Acendi, eu, uma fogueira,
no alguidar amassei a farinha
fiz filhozes numa frigideira
pão para comer não tinha!

A malta não esmoreceu,
a juventude tudo vencia
disso bem me lembro eu
hoje o digo com alegria!
(Edumanes)

14 comentários:

  1. Grande alentejano. Sempre intenso nas suas poesias. Bonitas de ler.
    .
    * Adejam pétalas ... como lábios se beijando *
    .
    Deixando votos de um dia feliz
    Boa tarde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diz, você grande alentejano,
      se ao lado dos mais pequenos
      com os seus aplausos, portanto
      serei muito mais do que menos!

      Eliminar
  2. Que nunca lhe falte a inspiração. Parabéns

    Beijos. Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os seus beijos recebi,
      agradeço de boa vontade
      sinceras bem as percebi
      palavras de sinceridade!

      Eliminar
  3. Dia complicado, estou a ver
    e não havia turras por perto
    senão muito pior podia ser
    Estou errado ou estou certo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com os turras a gente não se preocupava,
      pretendiamos era desatolar a geringonça
      o que a gente mais lá via no chão era água
      sem que tivessemos perdido a esperança!

      Por todos os lados havia água com fartura,
      enquanto o vinho prisioneiro dentro do barril
      lá no norte de Moçambique não foi aventura
      nas picadas haviam minas carregadas de trotil

      Eliminar
  4. Doces recordações. Com que então o amigo era padeiro! E deixava-se ver? É que havia muita gente a dizer que não via o padeiro Rsrsrs.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para trabalhar de noite,
      o padeiro dorme de dia
      se dessa maneira nã fosse
      em pé não se aguentaria?

      Obrigado pela sua visita, bom fim de semana também para você amiga Elvira

      Eliminar
  5. Há recordações que ficam para sempre!

    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo o que não engana,
      é sim verdade Andreia,
      tenha bom fim de semana
      com o que tem na ideia!

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Tu dizes que é bonito,
      pois, eu fico contente
      obrigado aqui te digo
      pela tua visita presente!

      Eliminar
  7. Quem não vê o padeiro não se safa, tu tendo a farinha safavas-te sempre! Eu levava ração de combate.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A farinha, tão, preciosa,
      com ela se fazer bom pão
      quem tem unhas toca viola
      das nuvens caía água no chão!

      Eliminar