segunda-feira, 25 de julho de 2016

"O MELRO PASSARÃO"

Vi no cais, ancorada, uma embarcação,
deixei de ter os pés assentes em terra firme
olhando para o céu azul na capital desta Nação
 nela embarquei com destino a Moçambique!

Disso não estou arrependido,
no Exército Português integrado
fui para lá em missão de serviço
estou contente por ter voltado!

Já ouvi cantar o Melro,
a canção da debandada
iniciada no Túnel do Marão
deixou a obra inacabada
bateu as asas o passarão
deixou a Nação endividada
num buraco a céu aberto!

Se eu soubesse que amanhã morria,
a dois pés para longe fugia da morte
para continuar a escrever em poesia
levava comigo a inspiração e o mote!
(Edumanes)

sábado, 23 de julho de 2016

"PROTEJA-SE DO CALOR"

Dei um chuto no vento,
a chuteira me saltou do pé
até aqui voando no pensamento
cheguei com esperança e fé!

Para o céu olhei,
não vi nuvem presente
se sabia, perguntei à tentação
porque é que o sol está tão quente,
amuada não me respondeu.
fiquei com a sensação
de que algo aconteceu.

Ela que era tão resmungona,
até parece que a voz perdeu
do calor do sol quente, à sombra
 para seu bem ela, se protegeu!

Se possível, proteja-se você também do calor
para que possa ter um fim de semana maravilhoso
 com saúde, alegria, em paz com carinho e amor!
(Edumanes)

sexta-feira, 22 de julho de 2016

"POÇO SEM FUNDO"

  Há muitos mais ladrões,
 não só em Portugal
 recebem condecorações
por terem causado o mal.

Não foi num poço sem fundo, 
que, do BPN, caíram os milhões
foi sim nas mãos sujas d'um gatuno
  em liberdade, isento de punições.

Queira a gente, ou não queira,
mesmo não sendo alheio na vida
será que de alguma maneira
 se consegue d'um poço sem fundo
tirar água com um caldeirão?
 Não sendo desconhecido no mundo
por quem nele vive a vida
a ela está tão arraigada a corrupção
por isso é que nunca será abolida!
(Edumanes)

quinta-feira, 21 de julho de 2016

"ÁGUIA REAL"

De sede morreu a preguiça,
com a água até ao pescoço
embora não seja um colosso
não deixa de ser boa notícia!

Fala-se de que a partir do dia 1 do próximo mês de Agosto, 
nalgumas antigas scuts, o custo da portagem vai descer 15%,
alguns utentes falam contra isso porque acham muito pouco
ricos e pobres revelam contra essas medidas descontentamento
seria, muito,  bom se nelas todos pudéssemos circular de borla
com o dinheiro que cai do céu, vamos pedir ao senhor Centeno
 que a todos deitados à sombra do chaparro pague a jorna!

Ainda não fui a Mirandela, comer a boa alheira,
para ver a bela paisagem, já passei no Túnel do Marão
todavia, não me esqueci de levar uns trocos na carteira
para pagar a portagem, de pagador exemplar cidadão!
(Edumanes)

quarta-feira, 20 de julho de 2016

"QUERO ESSA ROSA PARA MIM"

Ilustre Navegante,
natural da Vidigueira
situada a sul d'Évoramonte,
pare, e estacione o carro
se tiver sede, junto à fonte
e beba água pelo cocharro.

Senhor viajante,
a conduzir não se distraia
assim dessa maneira
a olhar para a mini-saia,
com quem dentro dela mora
seja feliz a vida inteira
guiando pela estrada fora
com uma mão no volante!

A outra mão na manete,
e um pezinho no acelerador
a conduzir beber não pode nem deve
se é que à própria vida tem amor.

As manhãs de nevoeiro,
são perigosas para a condução
foi debaixo d'um abacateiro
que eu deixei a solidão.

Fui colher uma flor,
no jardim da paixão
para dar ao meu amor
na manhã de São João.

Plantei num canteiro,
uma roseira no jardim
como dantes nunca vista
por eu é que ser o jardineiro
sem, no entanto, ser egoísta
quero essa rosa para mim!
(Edumanes)

terça-feira, 19 de julho de 2016

"VERDE CAMPO FLORIDO"

Do Baixo Alentejo, natural de onde sou,
 do Monte do Pego do Alto, estou lembrando
alguma da minha juventude perdida ficou
  com o vento, nas asas dos corvos voando.

Aos vinte anos de idade,
o dever me chamou
em plena mocidade.

Chegou a primavera,
deixei o campo florido
como o destino quisera
o meu brado foi ouvido.

 Pressentimento meu,
foi no meu corpo sentida
 gota de água caída do céu.

Foi Deus que enviou
um Emissário à terra
da guerra não me livrou
mas, salvou-me a vida!
(Edumanes)

segunda-feira, 18 de julho de 2016

"CANETA"

 Com esperança e fé,
de as encontrar voltei sim,
 sem ao menos saber se longa é,
nas tardes curtas da vida,
dos olhos deixei lágrimas sem fim
caídas no chão sem guarida...

Não sei se àquele sítio voltarei?
São dum poeta que não sou eu,
foi lá que essa caneta encontrei
com a qual aprendi a escrever
esses lindos versos para eu os ler
  não sei quem foi que os escreveu.

Jamais a poderei devolver,
se a quem pertence desconheço
facto que me ajuda a compreender
se a encontrei é porque a mereço!

Foi num dia de intenso calor,
tinha sede e um copo d'água vazio,
  vi um ninho nas pétalas d'uma flor
dentro dele um passarinho sem pio.

Sem penas nas asas tentou,
não conseguiu voar, coitadinho
naquele chão duro se estatelou
porque o socorro tarde chegou
sem pio lá ficou o passarinho!
(Edumanes)

sábado, 16 de julho de 2016

"NAS ONDAS DESSE MAR"

As flores deste jardim maravilhoso,
como são de todo o litoral verdadeiras
sem esquecer as mais lindas trigueiras
do norte onde o mar é mais alteroso.

 Alentejo e Algarve,
Lindas morenas do sul
onde o céu é mais azul
e o vento mais suave.

Da  cor dos seus olhos,
se eles castanhos não são
são redondos, não repolhos
colocados no peito estão.

O desejo que os faz agitar,
nesse belo corpo ondulado
delirando nas ondas desse mar
quando nelas mergulhado.

 São como bóias de salvação,
para em segurança se mergulhar
nos momentos loucos de paixão
nas ondas, agitadas, desse mar!
(Edumanes)

sexta-feira, 15 de julho de 2016

"VALDEVINOS"


Ludíbrio, como tu, da sorte dura, 
meu fim demando ao céu, pela certeza
de que só terei paz na sepultura.

Já Bocage não sou!...À cova escura
meu astro vai parar, desfeito em vento...
Eu aos céus ultrajei! O meu tormento
leve me torne sempre a terra dura.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

"NA CRISTA DUMA ONDA"

Volta para mim inspiração,
porque me abandonaste aqui
nos dias e noites de solidão,
com saudades a pensar em ti.

Na da praia do Almograve,
irei procurar-te no mês de Agosto
 de manhã o calor do sol no corpo
mais suportável do que à tarde.

Te quero ver na crista duma onda,
 descaradamente, a sorrir para mim
 como que se fosses sem seres tonta
na aragem, vinda, do mar sem fim.

Já não falta muito tempo,
porque o tempo passa a correr
por isso é que não se deve perder
na vida nenhum bom momento!
(Edumanes)