quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

"NÃO CHORE...SORRIA"

Não chore, sorria!
prove esta caldeirada
tenha em sua vida alegria
 de água ao nascer do dia
 beba uma cocharrada!

Uma açorda na tijala!
favo de mel na colmeia
de palavras ditas à balda
a seguir, uma mão cheia!

Tigela, no Alentejo é tijala,
bordão mais grosso é cacete
sorriso grande gargalhada
leite é lete, azeite é azete!

O pão se chamam casquero!
ao sobrero chamam chaparro
pão mais pequeno é brendero
de cortiça é feto o cocharro.

Dessa manera no Alentejo,
lá se fala sem qualquer vaidade
situado, para lá, a sul do Rio Tejo
 também mora a personalidade.

O alentejano não dorme,
depois do trabalho descansa
assim, também é conforme
o toque da música se dança.

Aprumado com pujança,
com as calças sempre vincadas
brilham as botas quando dança
 de cabedal bem ensebadas!
(Eduardo Maria Nunes)

terça-feira, 16 de Setembro de 2014

"AS PENAS"

As penas que voaram com o vento!
foram as da justiça que não se aplicaram
não ficaram as penas no esquecimento
todas aquelas que alguém magoaram.

De um lugar abrigado e quente precisaram,
sem penas, nas palhas o pássaro fez o ninho
nele com os ovos da e na passarinha chocaram
nasceram, filhos da passarinha e do passarinho
passarinhos, com penas nas asas do ninho voaram!
(Eduardo Maria Nunes)

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

"UM MINUTO"

video
Na mesa do Excelentíssimo!
Senhor, do convívio, organizador
também estava António Querido
da sua esposa, verdadeiro amor
apenas e só, se fazem favor
num muito vejam o vídeo.
do que perder a vida num minuto
mais vale perder um minuto na vida
todos sejamos felizes neste mundo
com saúde, paz, amor e alegria!
(Eduardo Maria Nunes)

sábado, 13 de Setembro de 2014

"NA IDADE DOS TRAPOS"

Voaram os afagos!
longe dos tempos idos
agora na idade dos trapos
com os pés doridos
dos sapatos apertados
 cada vez mais encolhidos.

Será que não percebi,
 o teu poema estive a ler
a imaginar estou aqui
triste por te não ver.

Uma esperança malfadada,
no caminho para o inferno
naquela estrada empoeirada
mais lamacenta no inverno.

Para corações apaixonados,
vale sempre mais do que nada
remendada a penas de farrapos
esta vida toda esfarrapada!
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 11 de Setembro de 2014

"TERRA BARRENTA"

(Imagem Google)
De verde planta nascida!
na terra barrenta vi uma flor
numa pedra no barro contida
 dos olhos numa lágrima caída
escrita, li a palavra amor.

Uma nuvem cinzenta,
no céu uma estrela cadente
quando alguém apoquenta
o coração tristeza sente.

 Em botão, rosa perfumada,
 roseira de verdes folhas vestida
 toda a mulher apaixonada
 de carinho e amor precisa.

Transmite ao corpo a vontade,
quando se sente a chama do calor
no desejo do prazer a todo o vapor
se engrena o veio da felicidade!
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 10 de Setembro de 2014

"A ABELHA E O ZANGÃO"

A abelha e o zangão!
  qual dela será o merecedor
 tanto ela como ele contra-mão
 em disputa pela mesma flor.

Com o cabresto no focinho!
todos eles presos na carroça
deixem em paz o Zé Povinho
 vão zumbir lá para a barroca.

Quando, como e por onde...
nenhum deles sabe o que quer
um fala, ao contrário responde
como se fosse coisa qualquer!

Nunca farão boa parelha,
porque duas mulas manhosas
com ideias de tudo perigosas
dolorosa picada da abelha!
(Eduardo Maria Nunes)

segunda-feira, 8 de Setembro de 2014

"FORTE VENTANIA"

(Imagem da Google)
No despertar de um novo dia!
numa louca tempestade de amor
 fez cair no chão, a forte ventania
  perfumadas as pétalas duma flor.

 De poluição, empoeiradas,
amachucadas, secas e amarelas
a serem, por quem passa, pisadas
o vento levou o perfume delas.

 Enorme inundação de desejos,
 em violento terramoto, inundados,
 numa louca derrocada de beijos
 no calor do vulcão incendiados.

Naquela tão desejada loucura,
a felicidade encontrada na cratera
nos regatos corria límpida, não turva
das nuvens a água caída na terra!
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 5 de Setembro de 2014

"BOM FIM DE SEMANA"

(IMAGEM GOOGLE)
Nesta vida tudo muda?
continuem enamorados
com muito amor e ternura
felizes, amantes, apaixonados
não se percam na noite escura
se forem pernoitar numa cabana
sobre o telhado verde cobertura
desejo-vos bom fim de semana!
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

"JÁ TÔ D'ABALADA"

video

A pesar da crise, o progresso, aqui no Concelho de Odemira, não está parado
Escadas de acesso à praia.
Está vazia, a praia do Almograve, mas eu vi a maré cheia,
 vi muitas outras coisas que vocês estarão a imaginar
 Vi ondas baterem nas rochas e desmaiarem na areia
 também vi, no céu azul, as gaivotas a voar!

Situada a sul do Rio Tejo!
adeus minha pátria amada
de regresso à Póvoa de Santa Iria
voltarei se Deus quiser noutro dia
para trás vou deixar o Alentejo
com sorrisos de alegria
já tô d'abalada...
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 27 de Agosto de 2014

"ACREDITO"

Tenho esperanças, acredito!
porque o campeão irá vencer
naquelas rochas está escrito
   as palavras que tu estás  ler...

Nada disso interessa agora...
quem as escreveu não sei dizer
estão lá para quem as quiser ler
nenhuma delas me incomoda!

muito alto continua a voar,
pois, a Águia é um passarinho
do outro lado da segunda circular
está o verde leão mansinho!

Não há azeite no pote,
para temperar a açorda
o bicharoco lá do norte
deita fogo pela boca!
(Eduardo Maria Nunes)

terça-feira, 26 de Agosto de 2014

"AQUI HÁ SOSSEGO"

  Porque é compatível com a natureza,
 há tempo e tranquilidade para descansar
 aqui onde a terra acaba e o mar começa
 na delicadeza do azul do céu e do mar!
Não perturbam a brandura!
quebram o silêncio, não o sossego
quando batem em pedra dura
 as ondas do mar no rochedo.
(Eduardo Maria Nunes)

sábado, 23 de Agosto de 2014

"PORTO COVO"

video
Naquela terra alentejana!
livremente, nela se circular
calcetada,  Rua Vasco da Gama
Porto Covo, à beira do mar.
Já foi terra de gente moura,
com muitas dificuldades viveram
na pesca no mar, na terra na lavoura
com vontade e afoiteza venceram!
A Igreja é a casa de Deus!
situada na Praça do Marquês
sempre com os pensamentos seus
 o alentejano é bom português.

No Baixo Alentejo, Concelho de Sines!
a oriente, Concelho de Santiago do Cacém
a sul Concelho de Odemira, no Algarve Messines
nas margens do Rio Mira, verdes paisagens tem.
No Porto Covo, ainda há!
exemplo do bom português
vejam como bem limpa está
a Praça do Marquês.
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

"BOM FIM DE SEMANA"

No céu azul da cor do mar!
não há nuvens nem gaivotas
nem outras aves a voar...
 bate a água salgada nas rochas
lá longe um barco a navegar.
nas águas do mar imenso
com esta imagem bela
 do mundo a que pertenço 
daqui bom fim de semana
 para amigas/amigos desejo.
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

"O FAROL"

Nasce o Rio Mira!
na Serra do Caldeirão
no Concelho de Odemira
a correr passou o caracol
 lá no Cabo Sardão
fui visitar o farol.

Comi sopas de beldroegas,
sem azeite para a açorda temperar
a correr e a saltar vi as fanecas,
na areia junto ao mar.
Pela estrada fora,
vi as pegadas do leão
uma criança pedia esmola
para comer não tinha pão.

Voava uma borboleta,
comia trevo o grilinho
pousado no ramo da esteva
chilreava o passarinho.

 De cor verde afoito ele ser,
de ervas verdes se alimenta
a saltar o gafanhoto se aguenta
 porque ele não sabe correr!
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

"QUANDO, DE LÁ, VOLTAR"

Tô d'abalada!...
vô partir p'ro Alentejo
levo a trouxa dentro da mala
pela ponte Vasco da Gama
atravessarei o Rio Tejo
desta para a outra banda.
Para da fonte beber água
também levo o cocharro
de cortiça do chaparro tirada
 na bagageira do carro.
Vô passar na Marateca,
Alcácer do Sal e Grandola
porque há coisas levadas de breca
dizia a mãe, à filha duma magana
Nas ondas vô mergulhar,
lá na praia do Almograve
no Concelho de Odemira
faz fronteira com o Algarve
a sul, para lá do Rio Mira.
Vô correr à beirinha do mar
na areia onde a água se despista
enquanto o esqueleto aguentar
todos os dias uma corrida.
Quando, de lá, voltar,
trago a foice, fica lá o martelo,
 trigo e cevada já não há para ceifar
a foice, porque foice já lá não faz falta
  foi útil na ceifa do trigo no Alentejo
dizimaram quase toda a semente
dizem que é terra queimada
do calor do sol ardente!
(Eduardo Maria Nunes

quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

"BOA NOTÍCIA"

Ausente, estou vivo!
a morte bateu-me à porta
dei uma queda da mota
 tenho o corpo dorido.

Aconteceu ontem por voltas das 6 horas da tarde, quando me dirigia para a garagem, no recinto de acesso à mesma. Não sei mesmo o que terá acontecido, de repente me pareceu ter sentido a sensação de que  a roda da frente tinha deslizado por cima de óleo derramado no chão, o qual verifiquei no local não existir. Levantei-me com a ajuda de um vizinho que atrás de mim seguia também de moto para a sua garagem. De seguida estacionei-a  na garagem, fui para casa tomei banho coloquei Betadine nos ferimentos causados pela queda. Estive cerca de meia hora no computador, deitei-me no sofá, vi o Preço Certo e o noticiário das 20h00, na RPT1, às 21h00, dirigi-me para a mesa, sentado numa cadeira, peguei na colher, cheia de sopa levei à boca, nesse momento sinto uma má disposição, passados alguns segundo julgo eu, ouvi a mulher dizer muito aflita, levanta-te do chão, estás tão branco. Eu que sou alentejano de pele escura, já bateste com a cabeça na máquina de lavar roupa, tentas te levantar e tornas a cair. Vou telefonar para os Bombeiro, assim aconteceu, levaram-me para o Hospital de Vila Franca de Xira, lá passei a noite, onde me foram feitos os respectivos exames. Associando ambos os acontecimentos um ao outro, penso que o primeiro foi devido à perda dos sentidos.

          Boa noticia, fiquei contente,
            com profissionalismo
          às 09h00 de hoje, o médico competente
           me deu alta o disse, não tem nada partido!

terça-feira, 12 de Agosto de 2014

"FLOR DE PAZ"

(IMAGEM GOOGLE)
O poder da imaginação!
se fosses, navegável, rio
eu seria a embarcação
o marinheiro com frio
agasalhado no porão.

  Se tu fosses o avião,
quem seria o piloto
por ti ele está louco
 seria o meu coração.

Se fosses tu a panela,
lá dentro estaria o frango
o cozinheiro um palerma
sozinho a dançar o tango.

 Se tu fosses uma fera,
sem medo te enfrentava
nas loucuras de quimera
com carinho te beijava.

Na imaginação, meu amor,
para te podar, teu jardineiro
 a clorofila te dará a verde cor 
porque eu cheguei primeiro
 serás sempre a minha flor.

 Perfumada, serás capaz,
tu, linda flor de primavera
 porque lutas contra a guerra,
 no mundo, a favor da paz!
((Eduardo Maria Nunes)

segunda-feira, 11 de Agosto de 2014

"A PENSAR EM TI"

(IMAGEM GOOGLE)
Aquece-me com o teu calor!
satisfaz todos os teus desejos
inunda os meus lábios de doce sabor
 com saliva dos teus doces beijos.

 Os teus abraços, de amor perfeito,
amar desse jeito, verdadeira loucura
sinto quando me abraças com ternura
o calor dos teus seios no meu peito.

 Não deixa lágrimas de dor,
dos teus olhos caírem no chão
nem com falsas pressas de amor
alguém magoar o teu coração.

Quando os teus lindos olhos vi,
Por eles se apaixonou o meu coração
porque existes na minha imaginação
sempre viverei a pensar em ti!
(Eduardo Maria Nunes)

sábado, 9 de Agosto de 2014

"POETISA APAIXONADA"

(PATRÍCIA PINNA)

Clique>>>Redescobrindo a Alma

Apaixonados, os lerem!
outros olhos pelos dela
em livros foram editados
poemas de amor com ela
apaixonantes se escreveram
antes de terem caído no chão
transformadas em tinta perfumada
pelas faces lágrimas de emoção
dos seus lindos olhos correram.
Em silêncio a noite dormia,
calmamente, de madrugada
um gemido se ouviu
a saudade abraçou a alegria
de felicidade ela sorriu
 a poetisa apaixonada!
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 7 de Agosto de 2014

"SEM TORCIDA, UMA CANDEIA"

Com a sola dos pés dorida!
por pisar nas pedras aguçadas
pelas estradas, da vida, empoeiradas
no silêncio da noite adormecida.

Sobre as pedras da calçada calcorreando,
numa rua junta a uma velha casinha na aldeia
 da qual, a chaminé, já não fumega fumo branco
em cima duma mesa, sem torcida uma candeia
e um velho pote sem azeite a um canto.

Um tenaz e uma trempe,
uma enxerga e um velho catre
tristeza nela tanta se sente
 lenha na lareira já não arde.

Porque foi embora a alegria,
deixou lá no silêncio a tristeza
como dantes muita mais havia
agora não haverá lá tanta pobreza
mas todavia, abandonada sem alegria
continua a humilde casinha portuguesa!
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 6 de Agosto de 2014

"PÉTALAS PERFUMADAS"

(IMAGEM GOOGLE)
Entre a espada e a parede!
sem poder saltar da janela
antes que o pior acontecesse
atirei-me para os braços dela.

 por instinto me livrei da espada,
 nua, deitada na cama estava ela
 tão bela, por amor apaixonada.

De loucura arejadas,
com prazer e louco amor
tem pétalas perfumadas
a mulher é uma flor.

No momento da loucura,
só não chega um pedacinho
desejará mais porventura
ser abraçada com ternura
e beijada com carinho!
(Eduardo Maria Nunes)

segunda-feira, 4 de Agosto de 2014

"DUAS PENAS"

O poeta escrevia um poema,
 no céu um passarinho voava
das asas deixou cair uma pena
quando o poeta para ele olhava,

Do chão, o poeta apanhou a pena,
outro poema com ela escreveu
com imaginação deu-lhe o tema
o passarinho uma pena perdeu.

Imaginava o poeta,
outros passarinhos a voar
anunciando a primavera
ouviu o cuco cantar.

interrompeu o poeta,
entoando na sua imaginação
enquanto o poeta escutava
outra pena caiu no chão!

Com as duas penas o poeta,
 muitos poemas de amor escreveu
 só tinha papel e tinha, não tinha caneta
 com as penas que o passarinho perdeu!
(Eduardo Maria Nunes)

domingo, 3 de Agosto de 2014

"CEIA E CAMINHA" (SEIA E CAMINHA, URBES DE PORTUGAL)

(o pastor e as ovelhas)
(um pão alentejano)
(um corno com azeitonas)
Lá no campo o moço guardava as ovelhas!...
 na descampada planície alentejana, num dia à tarde
 na cabeça usava uma boina, com ela tapava as orelhas
para as proteger, da chuva, do frio e da humidade.

Numa mão levava o talego com azeitonas e pão,
só e apenas na outra sua mão o bordão levava
como jornaleiro, recebia pouco mais de um tostão 
tinha no casebre o catre sem enxerga e mais nada!

A trabalhar de barriga vazia,
sem ter almoço para comer.
Se é para todos o meio dia
o pobre nasceu para nada ter.

Bebia água pelo cocharro,
para o estômago enganar
deitado à sombra do chaparro
  pão e azeitonas p'ro jantar.

Teimava no chão não se sentar,
para não sujar as calças no traseiro
junto das ovelhas um dia inteiro
encostado no bordão a descansar.

 Porque eles não ignoram!...
sabem que do trigo se faz a farinha
depois de um dia de descanso, adoram
os alentejanos, Ceia e Caminha.

O trigo no campo ceifei,
não se vão zangar comigo
porque eu mentir não sei
as verdades sempre digo!
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

"SORRIA"

(IMAGEM GOOGLE)
Afaste a tristeza, sorria!
o mês de Agosto, já chegou
música, bailarico e alegria
até o sol no céu bailou?

Qualquer onda do mar!
bate na areia e desmaia
está bom vá para a praia
o seu corpinho bronzear.

 Felicidade, amor e paixão...
tenha um magnifico fim de semana
seja, feliz, na tenda ou na cabana
no paraíso da sua imaginação!
(Eduardo Maria Nunes)