segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

"À SEGUNDA-FEIRA, FAVOS DE MEL"

 Palavras em rima escrevendo!
coisa fácil, de resolver, não impossível
de todo aquele que tenho disponível
a engendrar passo algum tempo.

Parado não tenha pachorra,
de ficar para onde não sei a olhar
no fundo do pote ficou a borra
depois de todo o azeite tirar.

  Vi o talego sem farnel,
de barriga vazia, não cheia
à segunda-feira favos me mel
 tirados, vi, de uma colmeia!

Lindos olhos vi numa mulher!
de noite vi no céu azul a lua cheia
na boca coloquei o fecho ecler
para não falar da vida alheia,

por ela me apaixonei,
olhou para mim de relance
desse olhar nasceu o romance
com ternura a abracei!
(Edumanes)

domingo, 25 de janeiro de 2015

"A PINHA"

Cidadão, alentejano!
terá partido do Alentejo
nas pegadas do gás propano
descobriu senão me engano
o Vale Pinto no Ribatejo.
Mas, que pinta tinha ela
com a cara bem pintada
 perfumada estava mais bela
da cor de uma rosa encarnada
num vaso uma roseira plantada
colocado no parapeito da janela.
Terá o pinhão caído da pinha?
 A pinha é filha do pinheiro,
o pinheiro nasceu do pinhão
sendo o pinhão filho da pinha
qual terá nascido primeiro
terá sido o ovo ou a galinha?
(Edumanes)

sábado, 24 de janeiro de 2015

"FAISÃO"

Na memória guardada!
não declarada intenção
vive a pessoa apaixonada
com segredos no coração?

Sem resposta fiquei,
a falar com os meus botões
a mim mesmo perguntei
porque tanto ladram os cães.

 Alguma razão tem de haver,
mesmo que ele seja muito gordo
para todos não chega um só faisão
que Deus proteja da miséria o povo
quando o amor não se entender
mais faz sofrer o coração.

Já foi terra que deu trigo,
o Alentejo soalheiro no verão
por lá procuram ouro escondido
sem saber se o encontrarão.

Para se pouparem uns tostões,
de fonte segura não é o relatório
teimam continuar as investigações
porque sonham com o petróleo!
(Edumanes)

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

"DA COR DOS MEUS"

Oriundo de humilde povo,
da província alentejana
feito de carne e osso
não de matéria vulcânica.

Por eles me apaixonei,
dois olhos do cor dos meus vi
devagar irei andando por aí, 
até quando, dizer, não sei,

Não os vi de pernas ao leu,
nem na praia os encontrei
são castanhos bem eu sei
não azuis da cor do céu!
(Edumanes)

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

"NAS NUVENS A VOAR"

Amor e carinhos maternais!
se com duas mães há crianças
crianças haverá com dois pais
 outras haverá sem esperanças?

Infelizmente, há coisas brutais,
nos surpreendem a qualquer hora
há imensos campos de arrozais
com fome tanta criança chora.

Dores que magoam o coração,
caem lágrimas dos olhos a chorar
das árvores folhas caídas no chão
quando o dia mais triste chegar.

Com o tempo, no tempo desfeitas,
a vida em cinza será transformada
no céu nuvens negras ou cinzentas
deixam cair na terra gotas de água.

Elas correm velozmente,
às vezes parecem loucas
escondem o sol da gente
muitas vezes, não poucas.

Sem ser poeta, sem imaginação,
engendrei escrever um poema,
mais forte bateu o meu coração
da calhandra que voava uma pena
 desprendida das asas caiu no chão.

 Corri mas a tempo não cheguei,
para do chão aquela pena apanhar
para onde o vento a levou não sei
com pena da pena continuo a sonhar
a olhar para a pena especado fiquei
com pena da pena nas nuvens a voar!
(Edumanes)

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

"TRIGO LOIRO"

De ter ceifado o trigo loiro!
no Alentejo, bem me lembro
de ter ouvido medonho estoiro
lembranças disso inda tenho.
Mas, não foi lá no Alentejo, não,
foi entre Metangula e Nova Coimbra
 para o Rio Lunho perigosa deslocação
na picada o rebentamento de uma mina,
pela roda da frente do Unimog, accionada
felizmente, nenhuma morte ela causou
o pneu em pequenos pedaços voou
no vento com a poeira esvoaçada!
De uma coisa tenho a certeza
de momento o silêncio alterará
a vida é como uma roleta
tanto rola até que pára...
  Se chover, para a não molhar
com o gorro se protege a tola
 melhor sorrir do que choramingar,
mas, nunca de maneira qualquer
para não causar perturbação
segredos guardados estarão
no coração de uma mulher?
Antecipadamente, se acontecer,
a vida foi, simplesmente, risonha ilusão
só não sei se valerá a pena para aquecer
correr atrás duma fugitiva paixão?
(Edumanes)

domingo, 18 de janeiro de 2015

"FUI HOJE AO ALENTEJO"


Fui hoje ao Alentejo e vi paisagens
De fome, de secura, de desalento
Nenhuma alma dali sonha as viagens
Que ao brilho de um sol d’oiro faz o vento
De fome, de secura, de desalento

Meu Deus que gente é esta, que degredo
Vive este povo ao Sul, que nada clama
Há rugas de azinheiras nos seus dedos
Mas não há nossas senhoras sobre a rama
Deste meu povo ao Sul, que nada clama

Olhem que céu azul com nuvens de poejo
Que veio morar aqui no Alentejo
Enxada a querer tirar do coração
A terra onde me sofro e me revejo;
Malteses meus irmãos, baixem-me o sol de agosto
Venham cantar-me modas ao sol-posto
A este povo honesto é que eu pertenço
A este mar de orgulho de amor imenso

Fui hoje ao Alentejo e vim chorando
Eu que sou feita em pedra da mais dura
Meu povo, minha esperança em fogo brando
Quando é que fazes tua, a tua altura
Quando é que fazes tua a tua altura

Fui hoje ao Alentejo e percebi
Porque é que de Além-Tejo há só o nome
Porque é que há tantos deuses por aí
Enquanto tanta gente aqui tem fome
Porque é que de Além-Tejo és só o nome

Autor da Letra: Eduardo Olí­mpio
Autor da Música: Paco Bandeira
Repertório: Luí­sa Basto.

sábado, 17 de janeiro de 2015

"MANHÃ DE NEVOEIRO"

Devagar, como o caracol! 
 tardava a liberdade em chegar
no campo do nascer ao por do sol
trabalhava o camponês a cantar.

No Alentejo, manhã de nevoeiro,
juntas de bois os arados vão puxando 
leva o saco a tira - colo o sementeiro
grãos de trigo na terra semeando.

Nada disso estou inventando,
porque era assim naquele tempo
sem vontade, tristemente, cantando
o silêncio respondia ao sofrimento.

Com um punhado de nada cheio,
no silêncio guardavam-se as palavras
defender os seus direitos havia receio
dos olhos, no chão caiam lágrimas!
(Edumanes)

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

"PAPOILA"

A morte é inimiga da vida?
porque se o não fosse não a matava
na seara de trigo encontrei florida
a papoila que procurava!

 De cor vermelha, tão linda a papoila é!
da cor do sangue que nos corre nas veias
diferente das ondas que enchem a maré
batem nas rochas, desmaiam nas areias.

Não vale a pena as enfrentar,
bravas ninguém as consegue deter
mas, preciso é na felicidade acreditar
 enquanto a morte nos deixa viver.

porque será que o tempo,
corre assim com tanta pressa
devagar, devagarinho me contento
gosto de viver, a vida é bela!
(Edumanes)

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

"VIVO OU MORTO"

Não de todo afoito!
meio frango vivo
ou meio frango morto
qual deles pesa mais
nas verdades acredito
assustam-me temporais.
(Edumanes)

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

"FOLHAS SECAS, CAÍDAS NO CHÃO

Não irei de nada mais reclamar!
nem a chorar, nem tão pouco a sorrir
  se o mundo, maravilhoso, acabar
como é que será o porvir?
Não estarei cá para contar
nem para cantar ouvir...
Das flores cairão as pétalas
das árvores as folhas secas no chão
fechar-se-ão as portas e as janelas
para sempre à imaginação...
Não se pintam mais paisagens
nem nas telas nem em vão;
não se farão mais viagens
nem de barco nem de avião?
 Das asas dos passarinhos
não cairão mais penas no chão
nas árvores não farão mais os ninhos
porque sem as folhas não têm protecção!
não lerei mais poemas com versos de amor
escritos pelos poetas com lágrimas de paixão
 não estarei cá, sem vida, para colocar uma flor
no peito, de quem amei, junto do coração!
(Edumanes)

domingo, 11 de janeiro de 2015

"A ROSEIRA TEM ESPINHOS"

De quem ama tem ciúme!
a mulher gosta de beijinhos
as rosas têm perfume
a mãe roseira tem espinhos.

Não é mentira, é verdade,
para se defender não os usa
todas as pétalas de igualdade
  protegê-las nunca se recusa.

 Perfumada, sem vaidade,
a rosa perfuma quem a ama
desabrochada em liberdade
obediente, de nada reclama
 lá no jardim da felicidade!
(Edumanes

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

"NA APANHA DA AZEITONA"

Enquanto a vida durar!
para não se morrer de fome
na terra temos que semear
para tudo é preciso ter sorte
passou-se para lá da estrema
porque a noite estava escura
era pouco, mas bem valeu a pena.
Pelo sustento, em silêncio lutava
no chão ou em cima do cavalete
para do frio proteger a mona
usava na cabeça um barrete.
Na apanha da azeitona
estava um frio de rachar
com ou sem amor à camisola
pois, tinha que vergar a mola
para uns trocados ganhar!
(Edumanes)

sábado, 3 de janeiro de 2015

"NAS ALTURAS"

Passei pela praia grande do Porto Covo!
em Vila Nova de Milfontes disse adeus ao Ano velho
 para todos desejo continuação de bom Ano Novo
bom dia e muita alegria, já voltei do Alentejo.
2015, ano de esperança e fé!
sem nenhuma nuvem estranha
entre a terra e o céu azul, de pé
no ninho lá nas alturas a cegonha!
(Edumanes)

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

"FELIZ ANO NOVO

 Para 2015, eu desejo!
antes de seguir viagem
com destino ao Alentejo,
escrevo aqui esta mensagem
para vos desejar feliz Ano Novo,
haja mais ajuda para quem precisa
nenhum governante seja mouco
para com lealdade e justiça
 ouvir a voz do povo!
(Edumanes)

domingo, 28 de dezembro de 2014

"ENTORPECIDAS"

Lançadas, foram à toa!
palavras na água do Rio Tejo
navegaram numa velha canoa
com destino ao Alentejo.

Atracou no cais de Alcochete,
voaram na direcção de Pegões
atraídas pelo íman de um alfinete
movido no vácuo das emoções.

 Naquelas imensas planícies,
 onde os interesses foram tantos
corriam lebres, voam as perdizes
   galgos a correr pareciam tontos.

 Para temperar a bela açorda,
 a correr logo foram comprar azete
 ao lagar assim que chegaram a Moura
 para por no cafei tiraram o (i) o lete!

Encontraram no chão o colchete,
quando passavam naquela zona
da oliveira em cima do barrete
deixou cair uma verde azeitona.

Foi medonho o estardalhaço,
ficaram entorpecidas no escuro
corria sem parar a água no regato
com ela as esperanças do futuro!
(Edumanes)

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

"ESTÁ INDO EMBORA"

video
 Haja sempre saúde, paz e alegria!
para o ano que vem não seja mais ruim
mantendo a tradição reunida a família
este ano a ceia de Natal foi assim!

O Ano Velho está indo embora!
para dar de esmola a este povo
com migalhas, talvez, na sacola
já está vindo por aí o Ano Novo.

Traz o Ano Novo as algibeiras!
cheias de descontentamento
continuam de qualquer maneira
nuvens negras a pairar no vento!

Incomodam ruídos confusos,
dobradiças ferrugentas de portas
enquanto na terra troteiam os burros
 continuam a voar no céu as gaivotas
porque no mar navegam os búzios
bravas ondas batem nas rochas!
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

"PAI NATAL E SEU BURRINHO"

Ele prometeu p'ro ano cá voltar!
com mais prendas para a criançada
pois, quando deveria estar d'abalada
o Pai Natal, só agora está a chegar!
Pois, mentiroso, não seja como aquele
em vez de dar a quem precisa, tirou o pão
 porque antes não tirar tinha prometido ele
feitas, terão sido promessas de ilusão?
(Edumanes)

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

"FELIZ NATAL"

 Mesmo que sejam histórias imaginadas!
 pois, que o não sejam de qualquer maneira
 com palavras verdadeiras não atabalhoadas
 contadas na noite de Natal junto da lareira.

Amigas e amigos, comentadores,
 do blog, Nasci no Alentejo, desejo Feliz Natal
sejam todas/os de felicidade portadores
saúde, paz, amor e carinho, divinal!

Com as rígidas leis do funil,
 fácil, tudo pretendem que seja
seja qual for o seu deles perfil
aqui tudo querem de bandeja!

Quem o enorme quis,
fazer, sem ter a certeza
onde tudo é grandeza
neste pequeno país?

A pobreza será enorme,
quanto maior for a riqueza
ninguém morreria de fome
se todos tivessem ceia!

Para o fundo lá se foi!
 caiu no charco da falsidade
aqui no pais da boa vontade
a rã que queria ser boi?
(Edumanes)

sábado, 20 de dezembro de 2014

"OBRIGADO, TINTINAINE"




Boas Festas


Desejo-vos um Natal muito Feliz e um ano de 2015 cheio de prosperidades.

Tintinaine

Trouxe ao mundo esperança e alegria!
nas palhas deitada deu à luz
na noite de Natal nasceu Menino Jesus
filho da Virgem Maria.

Teu gesto merece ser louvado!
Tintinaine, muito sinceramente,
humildemente, aqui acomodado
obrigado amigo pelo presente.

Se eu tivesse a tua habilidade,
também para ti um igual fazia
 te o digo com toda a sinceridade
tenhas muita saúde, paz e alegria.

Pois, nunca te falte a vontade,
para trincar bom naco de chicha
daquela que melhor te sabe
de qualidade, não faz azia.

A felicidade alimenta a vida,
dá, sim, mais força a amizade
sempre seja de noite ou de dia
com orgulho deste país cidadão
porque havendo mais unidade
 reforça os alicerces da união
apoiados na justa liberdade!

Para ti e para a tua família,
 Feliz Natal e próspero Ano Novo
em 2015 a mala pode estar vazia de ouro
mas atafulhada de felicidade e alegria!
(Edumanes)

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

"TALVEZ, NÃO DOIS PENICOS"

 Há petróleo no Alentejo!
não para iluminar os fanicos
dará para encher um caneco
 talvez, não dois penicos?

 Por que não há lá ouro, 
despensa-se toda a sucata
em paz deixem viver o povo
chega de tanta desgraça.

O petróleo não leva a paz,
para lá pode sim levar guerra
quem por falta não é capaz
de vontade lavrar a terra.

Não vão para lá largas larachas,
à toa dessas bocarras para fora
pois, não precisamos lá de graxas
nem o fora da lei a bater à porta!

PP=M de muleta do PC.!
nada tem a haver com o AV
se cair o M também cairá o G
  começa por G, o que é? Diga você?
(Edumanes)

"ADEUS TAP, ADEUS GREVE"

Que a viagem não seja perturbada!
de quem quiser sair ou chegar a Portugal
não seja também esta nação condenada
tão nobre e humilde a ninguém fez mal.

Eles te desprezam pátria amiga,
tem cuidado com os inimigos
haverá por aí que não acredita
que a figueira sem flor dá figos.

Adeus TAP, adeus greve,
abaixo a péssima governação
requisição civil de cara alegre
triste e tão arrogante decisão.

Sem capacidade para dialogar,
 por outras vias pensou está decidido
de quem por alguém não se preocupar
só de pensar nessa peste me arrepio
de tão perfeitos querem parecer
não se cansam de tanto ameaçar
pois, é o que mais sabem fazer
com vontade tanta de açoitar
quem lhe dá o pão para comer!

Que tudo corra com normalidade,
cuidado com a carne envenenada
carne de peru tem mais qualidade
que a ceia de Natal seja animada!
(Edumanes)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

"PODEM VENDER, NÃO NOS FAZ FALTA"

Grevistas e governação!
não se entendem as partes
se nenhuma delas tem razão
são de ambas disparates?

Não queiram tudo vender,
vendam só que nos dá prejuízo
saibam bem senhores do poder
dialogar com orientação e juízo.

Porque gente ruim a não tem,
por isso não pode vender a alma
o conteúdo de São Bento e Belém
podem vender! Não nos faz falta!
(Edumanes)

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

"IDEIAS"

Porque na vida, a vida é só uma!
não havendo opção de outra escolher
seja ou não boa, não há mais nenhuma
seja feliz, saiba com ela bem viver.

 Quando essa seja ou não boa acabar,
não se sabe se poderá encontrar outra
todos os que não têm pressa vão devagar
sem nada nas mãos, nem na algibeira rota
 das calças velhas, ainda, por remendar.

Sejam de inteligência bem dotados,
saibam nas palestras com atenção ouvir
o que têm para dizer, os não engravatados
os de camisas e colarinhos bem engomados
tentam com falsas promessas progredir!
(Edumanes)

domingo, 14 de dezembro de 2014

"FUMEIRO"

(Imagem Google)
Dos Algarves são os cavacos!
do Baixo Alentejo são os guerreiros
as vitórias, berganos, chicos e diodatos
do Alto Alentejo, ferros, pão finto e latas
 desde o sul ao norte do país, todos porreiros
 para que hoje nem nunca mais fiquem das asas
 da Águia as penas caídas no bota fogo tripeiro
 para que nunca mais aconteçam desgraças
 oremos com o benfiquista irmão poveiro
 haja, sempre tinto, queijo e carcaças
chouriços e linguiças no fumeiro!
(Edumanes)