quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

"TALVEZ, NÃO DOIS PENICOS"

 Há petróleo no Alentejo!
não para iluminar os fanicos
dará para encher um caneco
 talvez, não dois penicos?

 Por que não há lá ouro, 
despensa-se toda a sucata
em paz deixem viver o povo
chega de tanta desgraça.

O petróleo não leva a paz,
para lá pode sim levar guerra
quem por falta não é capaz
de vontade lavrar a terra.

Não vão para lá largas larachas,
à toa dessas bocarras para fora
pois, não precisamos lá de graxas
nem o fora da lei a bater à porta!

PP=M de muleta do PC.!
nada tem a haver com o AV
se cair o M também cairá o G
  começa por G, o que é? Diga você?
(Edumanes)

"ADEUS TAP, ADEUS GREVE"

Que a viagem não seja perturbada!
de quem quiser sair ou chegar a Portugal
não seja também esta nação condenada
tão nobre e humilde a ninguém fez mal.

Eles te desprezam pátria amiga,
tem cuidado com os inimigos
haverá por aí que não acredita
que a figueira sem flor dá figos.

Adeus TAP, adeus greve,
abaixo a péssima governação
requisição civil de cara alegre
triste e tão arrogante decisão.

Sem capacidade para dialogar,
 por outras vias pensou está decidido
de quem por alguém não se preocupar
só de pensar nessa peste me arrepio
de tão perfeitos querem parecer
não se cansam de tanto ameaçar
pois, é o que mais sabem fazer
com vontade tanta de açoitar
quem lhe dá o pão para comer!

Que tudo corra com normalidade,
cuidado com a carne envenenada
carne de peru tem mais qualidade
que a ceia de Natal seja animada!
(Edumanes)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

"PODEM VENDER, NÃO NOS FAZ FALTA"

Grevistas e governação!
não se entendem as partes
se nenhuma delas tem razão
são de ambas disparates?

Não queiram tudo vender,
vendam só que nos dá prejuízo
saibam bem senhores do poder
dialogar com orientação e juízo.

Porque gente ruim a não tem,
por isso não pode vender a alma
o conteúdo de São Bento e Belém
podem vender! Não nos faz falta!
(Edumanes)

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

"IDEIAS"

Porque na vida, a vida é só uma!
não havendo opção de outra escolher
seja ou não boa, não há mais nenhuma
seja feliz, saiba com ela bem viver.

 Quando essa seja ou não boa acabar,
não se sabe se poderá encontrar outra
todos os que não têm pressa vão devagar
sem nada nas mãos, nem na algibeira rota
 das calças velhas, ainda, por remendar.

Sejam de inteligência bem dotados,
saibam nas palestras com atenção ouvir
o que têm para dizer, os não engravatados
os de camisas e colarinhos bem engomados
tentam com falsas promessas progredir!
(Edumanes)

domingo, 14 de dezembro de 2014

"FUMEIRO"

(Imagem Google)
Dos Algarves são os cavacos!
do Baixo Alentejo são os guerreiros
as vitórias, berganos, chicos e diodatos
do Alto Alentejo, ferros, pão finto e latas
 desde o sul ao norte do país, todos porreiros
 para que hoje nem nunca mais fiquem das asas
 da Águia as penas caídas no bota fogo tripeiro
 para que nunca mais aconteçam desgraças
 oremos com o benfiquista irmão poveiro
 haja, sempre tinto, queijo e carcaças
chouriços e linguiças no fumeiro!
(Edumanes)

sábado, 13 de dezembro de 2014

"TANTA FALTA FAZ"

 Mais vale saber esperar!
 para dar sempre algo ter
não, somente, poder sonhar
vale mais com a saudade viver
saber esperar, é ser inteligente
tanta falta a quem a não tem faz
sem amor e carinho muita gente
  vive no mundo sem ter paz!
(Edumanes)

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

"NO CHÃO SE DESFEZ"

Um beijo perdido!
na ingratidão, talvez
dos lábios caído
no chão se desfez.
Um beijo sentido,
nos lábios não satisfez
de manhã ao acordar
do desejo atrevido
na cama a sonhar
por não ser apetecido
logo não fez despertar
o prazer adormecido.
Sem se preocupar
pela beleza atraído
a quem o beijo dar
por não ter conseguido
seus desejos concretizar.
Por ser um beijo proibido
ninguém com ele quis ficar
recusado ficou o beijo caído
no chão de noite ao luar!
(Eduardo Maria Nunes)

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

"GABAROLA"

Apascentando as ovelhas no brejo,
não deve qualquer camelo as afugentar
porque foi recambiado para o Alentejo
não se cansa agora de tanto reclamar!

Queixa-se de tudo e de todos,
se por acaso não fez nenhum mal
no mundo são muitos não poucos
a sobrevoar o território nacional.

Não o tiram de lá para fora,
porque têm medo dele fugir
tinha tanto amor à camisola
mais ninguém a podia vestir.

O espertalhão gabarola!
dêem-lhe pão com toucinho
está precisando de esmola
Deus perdoe o pobrezinho
coitadinho, sofre da tola?
(Eduardo Maria Nunes)

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

"NO NINHO"

Era preciso ter muita pachorra!
para se ficar calado de algo estranho
sem azeite havia gente comia açorda
o pastor dormia junto do rebanho.

Nunca mais será recuperado,
a retalhos está sendo vendido
milhões pelo serviço prestado
alguém de alguém terá recebido?

Até lhe crescerem as penas das asas!
cortaram-lhe as pontas para não voar
o pássaro com as penas das asas cortadas
por causa disso no ninho irá continuar?
(Eduardo Maria Nunes)

domingo, 30 de novembro de 2014

"NO CERRO DA GUARITA"

Lá no cerro da guarita!
tinha tojos e muitas carquejas
nos corgos gente sem guarida
junto de floridas estevas

Do outro lado, Vale Travesso,
 tinha bois, vacas, bestas e um feitor
de todos, não era o mais esperto
tudo pertencia a um só senhor.

 A seguir no Monte da Estrada!
todas as moças eram bonitas
tinha no Pego d'altinho uma vala,
nas bermas cobertas de silvas.

O caminho para Vale Estacas,
 de terra batida, todo esburacado
atravessavam as ovelhas e as cabras
também lá havia o gado bravo.

Raposas,  lebres e coelhos,
 pardais, picanços e piscos
rastejantes os escaravelhos
 não de trampa bons petiscos.

Com eles se regozijam,
fazem uma bola a rebolar
do bom e do melhor petiscam
deixam a conta para o Zé pagar!
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

"AGORA JÁ ÉI"

O compadri Zéi, montado na burrita!
foi com ela à feira de Garvão
antes passou por Santa Luzia
para saber quanto ela valia 
ofereceram meio tostão
com direito a demasia.

Encontrou no caminho,
o compdri Antóino
montado no seu burrinho
atã já sabe do patrimóino?

Dessa novidade!
não será mesmo engano
vamos saber a verdade
os dois dialogando
 ao fim da tarde.

Que não seja alarvidade,
vamos compadri a Lisboa
ora essa ai! Jesus
atravessamos o Rio Tejo na canoa
vamos ver o estádio do Benfica na Luz
e o estádio do Sporting, em Alvalade

No monte do Vale Burro,
a sul de Alvalade Sado
porque eles levaram tudo
deixaram o país endividado.

Um desertou para Bruxelas, vida bela,
recentemente, pelo presidente, condecorado
o outro foi de férias para Paris, já foi engavetado
agora hospedado no hotel presídio em Évora.

Valeu a pena a luta,
a lutar cantando a realidade
derrubaram a ditadura
em nome da liberdade

Moços dum cabresto,
receberam a noticia cantanto
foi reconhecido pela Unesco
obrigado pela generosidade
agora já éi o cante alentejano
Patrimóino Imaterial da Humanidade!
(Eduardo Maria Nunes)

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

"RELÓGIO DE PAREDE"

Duas jovens, moças, apaixonadas, não uma pela outra, resolveram partir muna viagem em busca dos seus príncipes encantados, num royce descapotável. Às tantas da matina, depois de percorridos centenas de quilómetros de asfalto, chegaram numa localidade, onde o silêncio e a magia eram predominantes. Dirigiram-se a uma hospedaria e perguntaram ao recepcionista da mesma se tinha um quarto para as duas, tenho o mesmo respondido, a resposta está daquele relógio pendurado na parede. Que horas eram?

domingo, 23 de novembro de 2014

"VIAJANDO NA IMAGINAÇÃO"

(Imagem Google)
Ao romper da aurora,
agitação, no local havia
nos arbustos à sua volta
quando o vento os bulia.

voava o perfume no vento,
da verde paisagem florida
caminhava de noite ao relento
 por uma vereda desconhecida.

Como os olhos que a via,
correr pelo Vale da Ternura
da nascente, lá no cerro, corria
para a fonte água pura.

Da fonte para o mar,
viajando na imaginação
para porto seguro a navegar
numa luxuosa embarcação
sem saber quando iria chegar
a viajar no fundo do porão
onde pensava encontrar
o amor de sua paixão!
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

"ALGURES, EM LISBOA!

Um alfacinha e um alentejano, num bar-restaurante, algures em Lisboa.  Cada um sentado à sua mesa!
Quando à noitinha entrou uma jovem, encantadora, mulher, de mini saia, cabelos escuros, olhos castanhos, pele morena...
Dirigiu-se para a mesa do alentejano e sentou-se numa cadeira a seu lado!
O alfacinha disse:
Bravo echo lima oscar, mike alfa tango alfa charlie oscar, echo lima alfa, tango echo mike...Tradução - Belo mataco ela tem!
O alentejano repostou:
mike alfa sierra, november alfa oscar, echo, papa alfa romeo alfa, tango uniform, oscar, alfa papa alfa lima papa alfa romeo echo sierra...Tradução - Mas não é para tu o apalpares!

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

"ZÉ NINGUÉM"

Quem na vida nada tem!
não terá desgostos da vida
de cabelos ao vento, o zé ninguém
sem eira nem beira, nem guarida
rebolou na ribanceira
caiu dentro da ribeira
fez na tola uma ferida.
Quando a sorte não ajuda
todos os caminhos têm obstáculo
no galho canta o mocho e a coruja
 as rãs, cantam, dentro do charco.
No pé esquerdo um sapato
no pé direito uma bota
por não saber cantar o fado
de tronco nu sem camisola
sem guitarra e sem viola
foi pedir trabalho ao circo.
O elefante não gostou, só visto
com a tromba no tejadilho do carro
tentando da porta abrir o vidro
assustado, pilintra sem pataco
lá dentro do carro com cagaço
aqui, palhaço desconhecido
não tem direito a visto dourado!
(Eduardo Maria Nunes)

terça-feira, 18 de novembro de 2014

"PAZ"

Não será fácil, mas é possível!
tem de haver força de vontade
para impedir a sua continuidade
temos que vencer o monstro vil.

Antes ou depois não sei quando,
esperança e fé traz-nos a primavera
sem se poder parar em frente caminhando
do que o passado e o presente quisera
sem guerras, o futuro risonho.

 A vida que Deus nos dera,
por ser tão bela nos satisfaz
 no mundo acabar com a guerra
sejamos capazes aqui na terra
para que no céu haja paz!
(Eduardo Maria Nunes)

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

"O SILÊNCIO É MUDO"

 Segredos por revelar!
em algures escondidos
dos tojos no verão ardidos
continua fumo a pairar.

 Nascem entre as rochas,
estevas, na terra enraizadas
no mundo coisas maravilhosas
há belezas desencantadas.

 Será o amor louco?
utensílios em desuso
atirados no fosso
o silêncio é mudo.

Não sabe onde está,
 alguém quando anda perdido
não mais se apanhará
um desejo foragido!
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

"NA ILHA DO TESOURO . . .CORRUPÇÃO"

Na Ilha do Tesouro descoberta pelo herói  navegador-descobridor, sem mérito Birras,  neste Século XXI,  suspeita-se que  os vistos "GOLD"  tão elogiados têm sido pelo seu criador,   em vez de barras de ouro existam barras de corrupção. Entre os suspeitos está o diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Manuel Jarmela Palos, cujo o cargo exerce desde 2005, entrou para o SEF em 1993, ou seja há 21 anos, e fez aquilo que se costuma chamar 'carreira de sucesso' dentro desta força policial. O seu trabalho reconhecido além-fronteiras e, em 1999, foi distinguido pelo então Ministro do Interior de Espanha com a "Cruz al Mérito Policial com Distintivo Blanco". Oito anos depois, em 2007, é a vez de o Ministro da Administração Interna português lhe atribuir a medalha de Mérito Liberdade e Segurança na União Europeia, contributo para a construção do Espaço Liberdade e Segurança da Europa, através da concretização do projeto ISone4ALL. Se se  provar que esse senhor faz parte dessa rede de corrupção, branqueamento de capitais, tráfico de influência e peculato. Que o seja mais uma vez condecorado, para além das duas vezes que o já foi por mérito, sem ter mérito? Fez carreira de sucesso, não terá sido como cidadão exemplar ao serviço da nação e da sociedade. Se as suspeitas se confirmarem terá ele feito carreira de sucesso ao serviço do que é suspeito,  por isso deverá ser condecorado mais um vez, pela justiça, com a medalha da justiça, e com justiça!

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

"GALO DE CRISTA VERMELHA!

Portas e tramelas,
não acabem com as galinhas dos ovos de ouro
os galos de crista vermelha precisam delas
são para alguns verdadeiro tesouro
põem ovos com as gemas amarelas
deles nascem frangas e frangos
de pescoço, pelados e/ou não
promessas são enganos
de quem as faz sem noção.
 Para todos o sol nascer,
não é mentira, é verdade
o que pensa o povo é proibido dizer
 nos países onde não há liberdade.
Aqui também já foi assim,
para continuarem a cantar
os galos no poleiro sem fim
 a esse tempo querem voltar.
Quer mais, ainda, o troca baldroca
 todas as galinhas dos ovos de ouro
meter outros galos dentro da gaiola
  não se contenta só com o pelouro
tudo quer, o galo mariola!
(Eduardo Maria Nunes)

terça-feira, 11 de novembro de 2014

"A TARDE CLAREOU"

A tarde clareou,
no dia de São Martinho
a chuva agora daqui abalou
foi à adega provar o vinho
pão e castanhas levou
vá lá mais um copinho
bota abaixo com moderação
porque se ficar tontinho
pode, até, cair no chão.
Se passar no Cartaxo
beba um tinto carrascão
não se deixa ir abaixo
mantenha-se bem firme 
continue em frente a caminhar
na direcção onde, ainda, existe
sorria, porque há muito para se amar
não esteja, hoje nem nunca, triste!
(Eduardo Maria Nunes)

domingo, 9 de novembro de 2014

"NUMA NOITE DE LUAR"

(Imagem Google)
Para agora o recordar!
de quando eu era puto
 por uma vereda a caminhar
o vento fez abanar o arbusto
apanhei um grande susto
numa noite de luar.

Aqui o digo sem vaidade!
porque eu não sei mentir
bem estar na vida faz sorrir
não é mentira, é verdade.

 Lá no campo não tinha vagar,
a trabalhar quando era criança
 não havia tempo para brincar
 no tempo da minha infância.

 Poder recordar o tempo vivido,
agora, em liberdade me contento
da juventude mais saudades tenho
 do  que no tempo ficou perdido!
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

"BOM FIM DE SEMANA"

 Que a felicidade sempre lhes sorria!
seguidoras/os do blog, Nasci no Alentejo
amigas/os muita saúde, paz e alegria
 a todos bom fim de semana desejo.

Quem na vida não vive triste,
amado/a na vida é, na vida ama
onde está ela não sei mas existe
porque quem escrever insiste
sem inspiração não adianta.

 Que a vida nunca seja ferida,
 nada na vida tem mais valor
do que a saúde da própria vida
vivida seja com carinho e amor!
 (Eduardo Maria Nunes)

terça-feira, 4 de novembro de 2014

"NADA DE ESPECIAL"

Serão essas as menos precisas!
de todas as coisas que no mundo há
queimem os cavacos cortem as silvas,
calor humano, demais nunca será.

 Para fazer a coisa rebitar,
bem as brasas nos aquecerão
se de todos os dedos se cortar
 as unhas não mais arranharão.

 Para não torriscar a caldeirada,
 na panela, não a deixei no fogo a cozer
chovia, fiquei com a farpela molhada
 hoje, de manhã, quando fui correr.

 Digo, nada vi de especial,
que me chamasse a atenção
há muita gente em Portugal
a resmungar sem ter razão!
(Eduardo Maria Nunes)

domingo, 2 de novembro de 2014

"LÁ NA RUA DA TORCIDA"

Mote
A bejeca me desafiou!
logo lhe tirei a tampa
libertei aquela tonta
e ela me embriagou?

De mini-saia uma loirinha!
estava e continua na moda
bem amar a boa pinguinha
faz andar a cabeça à roda.

Lá na Rua da Torcida!
havia muita alegria no ar
com a loirinha apetecida
toda a noite a rodopiar.

Na Rua da Carraspana,
 toda a noite não me largou
se agarrou a mim a magana
na cama comigo se deitou.

 Para o seu corpo acariciar,
abandoná-la, ainda, não pensei
por isso é que desejo continuar
 sempre e toda a vida a amei.

Menos vezes  a visito,
mas não deixei de a amar
sempre que a beijo lhe digo
 não penso em te abandonar.

Não sei se perdido andei,
por causa daquela leviana
deitei-me com ela na cama
 na cama com ela acordei

 Impossível foi não a beijar!
 quando a desfeitear-me a vi
 porque à tentação não resisti
 tive mesmo que a violar!
(Eduardo Maria Nunes)

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

"SACA-ROLHAS"

Mote
Para acompanhar,
na cepa não há engano
da melhor alentejana
não a trambecar,
bom fim de semana.

Poema, o saca-rolhas!
não é nenhum brinquedo
nas mãos não faz bolhas
quase nunca pára quedo.

Tem como missão libertar,
tinto ou branco engarrafado
por isso não o deixam sossegar
quando e sempre é mais solicitado
na hora do almoço ou do jantar.

 Rolha, feita de cortiça,
comprida, bem torneada
antes do sobreiro tirada
não mete, a rolha, só tira
 do gargalo da garrafa.

 Saca-rolhas, ou abre-latas,
nem tudo que luz será ouro
não calça nos pés alpercatas
 na cabeça não usa gorro!

 Trabalha, sim, não à jorna,
por que não precisa, não recebe
também não mete, só tira a rolha
por não ser gente não percebe!
(Eduardo Maria Nunes)